Archive for the ‘RECREIO’ Category

Parque Buenos Aires: a natureza, a arte e outras leituras

22/02/2017

PARQUE BUENOS AIRES

Domingo é dia de fazer muitos passeios com a família e amigos. Uma das opções pode ser encontrada no bairro de Higienópolis: o Parque Buenos Aires.  Este parque se localiza  entre a Avenida Angélica e as ruas Piauí, Bahia e Alagoas.

É interessante notar que a cidade de São Paulo mesmo com o excesso de edifícios,  oferece diversas opções de lazer e espaços abertos. Dentre as várias opções, temos muitos parques, os verdadeiros redutos arbóreos na metrópole.

parque-buenos-aires1

Ao entrar parque, pela Av. Angélica,  nos deparamos com manifestações explícitas  de criatividade: seja pelos stands de moda e design, atividades sustentáveis, e também  pela gastronomia que integram a Feira Cultural conhecida como Mercado Buenos Aires, juntamente com a delícia de ouvir música ao vivo.

No dia 12 de fevereiro, pude ver um pouco do trabalho de música popular brasileira da cantora Cris Vecchio e do violonista Sérgio Arruda. Um primor!

musica-no-parque-buenos-aires

Na apresentação de Cris Vecchio e Sérgio Arruda, o público podia escolher a música que mais gostasse. Bastava escollher no ‘varal musical’ dentre os grandes sucessos da MPB, do Samba e do Choro. Olhem só:

musica-no-parque-varal musical

Caminhando pelo parque podemos ouvir alguns pássaros, como periquitos, tico-ticos, pardais, o que traz uma sensação de tranquilidade e harmonia. Continuado a caminhada, encontramos algumas obras de arte, como por exemplo a escultura do  “Leão atacado”:

parque-buenos-aires- leão atacado

 Podemos ainda nos encontrar com Lasar Segall  e sua escultura ‘Emigrantes’:

Escultura de Lasar Segall

Emigrantes – Lasar Segall

Ainda podemos encontrar a escultura “Mãe”, de Caetano Fraccaroli (em 1965), em um único bloco de mármore, que fica no ponto mais alto do parque.

Mãe- Caetano Fraccaroli

“Mãe”, de Caetano Fraccaroli

Nos arredores da praça, onde fica a escultura Mãe, vi uma imagem inusitada. Duas geladeiras recheadas de livros.  Pois é: uma Geladeiroteca. Vejam:
 geladeiroteca-buenos-aires2

geladeiroteca-buenos-aires

O projeto  Geladeiroteca, tem como objetivo incentivar a leitura de forma gratuita, onde as pessoas podem ler, pegar emprestado e doar livros.  Segundo o site da prefeitura, o  parque já contava com  uma geladeira com alguns livros que foram doados por uma conselheira.  Mas a ideia se materializou por meio de uma parceria com a ONG  Instituto Pequenos Grandes Guerreiros, no último dia 12 de outubro de 2016. Em uma das geladeiras existe uma informação que fala da origem dessa iniciativa e da Geladeiroteca Viva o Tom.Olhem só:

Geladeiroteca

 

Além disso, o Parque Buenos Aires abrirá seu espaço para outras trocas de leitura. No próximo dia 12 de março,  das 10h às 17h acontecerá o evento: Feira de Troca de Livros e Gibis 2017, da Secretaria Municipal de Cultura e do Sistema Municipal de Bibliotecas.

Vale a pena conferir toda essa atividade cultural ( e natural) no Parque Buenos Aires.

Bom passeio para todos!!

 

Dança nos parques: um religar do homem com a natureza

20/05/2016
Núcleo Pé de Zamba - "A cruz que me carrega"

             Núcleo Pé de Zamba – “A cruz que me carrega”

No último dia 14 de maio, tive a grata oportunidade de unir  “o útil ao agradável” e estar presente em uma  belíssima apresentação no Bosque de Leitura do Parque Ibirapuera. Sob céu que nos protege e o parque que acolhe diversas pessoas oriundas de todos os cantos da cidade, tivemos uma tarde de resgate da cultura afrobrasileira.

Esse resgate foi materializado por meio de cantos e dança do Núcleo Pé de Zamba, que apresentou o espetáculo: “A cruz que me carrega”.

Este espetáculo foi pensado para espaços não convencionais e se inspira na trajetória da população afro-banto, vinda ao Brasil na condição de escravizada. Ao investigar aspectos desta migração através das manifestações culturais encontradas na Irmandade de N. Sra. do Rosário de Justinópolis, o grupo identificou reverberações culturais surgidas a partir da chegada destes africanos. “A Irmandade é uma comunidade centenária sediada em Ribeirão das Neves, Minas Gerais, e funciona como um lugar que acolhe e une a comunidade afrodescendente da região, a exemplo do que acontecia desde a escravidão com tantas outras irmandades dos homens pretos em todo o país”, aponta Andrea Soares, cuja pesquisa de mestrado investiga a interface entre a contemporaneidade e as culturas populares tradicionais brasileiras, passando especialmente por questões ligadas à afrobrasilidade, em seu cunho artístico e político-social.

Vejamos alguns momentos do espetáculo ao lado do Bosque da Leitura do Parque Ibirapuera, em um pequeno registro fotográfico que fiz na ocasião:

Núcleo Pé de Zamba - A cruz que me carrega4

Núcleo Pé de Zamba - A cruz que me carrega

Núcleo Pé de Zamba - A cruz que me carrega2

Núcleo Pé de Zamba - A cruz que me carrega6

Núcleo Pé de Zamba - A cruz que me carrega5

A concepção e criação do espetáculo é de Andrea Soares, que integra o seleto elenco ao lado de Joana Egypto, Jô Pereira, Leandro Medina, Cristiano Cunha e  Palomaris Mathias.

Segundo Andrea Soares:  “a contribuição africana na cultura brasileira é indiscutível. Dança, música, gastronomia religiosidade e uma forma de estar no mundo que permeia nossas ações cotidianas, trazendo criatividade e alegria, gana e resistência.

No intuito de ressaltar esta herança, reconhecendo-se nela, o Núcleo Pé de Zamba debruçou-se sobre a Irmandade de Nossa Sra. do Rosário de Justinópolis/MG, por encontrar ali a presença afro-banto delineada em muitos aspectos. Entre eles, marcou-nos especialmente a forma de se viver em arte e do entendimento da existência em prol do coletivo.

A força do comunitário, unida à presença ritual da religiosidade afro-cristã, inundou nossos corpos de dança e de um impulso transformador, falando-nos de uma fé que extrapola dogmas e amarras para ser um fio condutor de uma vida contemplada pela leveza. Ali não se carregam cruzes… O peso da vida é fardo partilhado.”

Para conhecer um pouco sobre a  Irmandade do Rosário de Justinópolis, Ribeirão das Neves, Minas Gerais compartilho a primeira parte de documentário  produzido pelo grupo A Barca e Olhar Imaginário:

 

O Núcleo Pé de Zamba irá se apresentar  no próximo sábado, 21 de maio, às 15h, no Bosque da Leitura Parque Raposo Tavares – Rua Telmo Coelho Filho, 200-Vila Albano.

Vale muito a pena ver e curtir este espetáculo.

Um super abraço!

O Trenzinho do Caipira e do Nicolau

15/10/2015

Ainda na temática infantil, no dia das crianças me lembrei de um episódio que aconteceu  em maio de 2014, quando o Ulisses trouxe um livro do CCI (Centro de Convivência Infantil) 13 de Maio, no Projeto de Leitura.

No Projeto de Leitura, que tinha a orientação e condução da professora Ana Flávia, as crianças  escolhiam um livro, que era lido em sala para elas. Depois o livro escolhido é levado para casa pela criança para que aconteça uma interação com a família, ou seja: a criança ‘conta’, à sua maneira,  a história para seus pais/responsáveis e ou irmãos,  ou ainda os pais podem ler com e para a criança.

Em maio o Ulisses escolheu o livro: O Trenzinho do Nicolau, de Ruth Rocha. Ulisses estava tão empolgado que começou a ler no caminho da escola para casa.  Chegando em casa o pequeno Ulisses pediu para que eu  lesse/contasse a história.

Livro: O trenzinho do Nicolau, de Ruth Rocha

Livro: O trenzinho do Nicolau, de Ruth Rocha

Enquanto eu lia, muitas imagens e lembranças passavam na minha cabeça. Lembrei da música: O trenzinho do Caipira,nas suas versões orquestrada, pois é a Bachiana nº 2 de Villa Lobos; depois,  a versão cantada que tem como letra o poema de Ferreira Gullar. Na versão cantada, existem várias interpretações com grandes e bons intérpretes da MPB.

Depois da leitura, foi a vez apresentar a letra, o som e o vídeo ao pequeno  heroi.  Inicialmente, declamei o poema de Ferreira Gullar , escrito em 1976:

Lá vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade e noite a girar
Lá vai o trem sem destino
Pro dia novo encontrar
Correndo vai pela terra
Vai pela serra, vai pelo mar
Cantando pela serra do luar
Correndo entre as estrelas a voar
No ar, no ar

Depois da poesia do Ferreira Gullar, chegou o momento de apresentar a música. Procurei no You Tube e achei um vídeo muito simples e artesanal, com a música orquestrada:

Em seguida, mostrei  um vídeo em preto e branco, bem singelo, com a versão cantada por Adriana Calcanhoto:

Depois  de ver o vídeo algumas várias vezes, Ulisses resgatou um pequeno trenzinho que estava ‘escondido’ no fundo do seu  baú de brinquedos, e por algum tempo, ficou curtindo seu brinquedo, esquecendo um pouco os ‘tradicionais’ carrinhos.
Ulisses e o trenzinho

Ulisses e seu trenzinho

Vocês não conhecem  “O Trenzinho do Nicolau” ?
Então escutem uma criança contar a história:

Ainda nesta viagem de trem, lembrei da interpretação de Maria Bethania do Trenzinho Caipira, onde ela faz uma inserção de poesia ” Trem de Alagoas”, do pernanbucano Ascenso Ferreira.
Convido a todos a conhecer esta poesia por meio da bela declamação do grande Paulo Autran:

 O mais interessante nessa viagem  é poder perceber que a escolha de um livro pela criança, pode nos possibilitar outros voos:  na música, na poesia e na história.É interessante notar que tudo isso acontece no universo da educação infantil, que conta com o  profissionalismo e planejamento de bons professores.
Aqui fica o agradecimento de uma mãe no dia dos Professores, ao profissionais que conseguem,  a partir de um livro, de uma leitura,  inserir  e oferecer outros contextos e linguagens às crianças.

No Centro de Convivência Infantil que o pequeno Ulisses frequentou, no bairro da Bela Vista, desde o primeiro ano de vida até os 3 anos e meio, contou com professores atenciosos e dedicados. Profissionais de primeira grandeza, que merecem respeito e reconhecimento de todos e, principalmente, das autoridades/gestores municipais que têm uma grande dívida para com os Professores.

A todos os Professores fica nosso carinho e nossos agradecimentos neste e em todos os dias!

Um super abraço!

Diversos olhares, sentidos e movimentos na cidade de São Paulo

23/01/2014

theatro

Diariamente ao  caminhar pela cidade de São Paulo é possível sentir e perceber os movimentos que compõe a sinfonia dessa metrópole. Pude perceber que nossas sensações e sentimentos podem variar de acordo com os sentimentos e o olhar que temos sobre a cidade.

Nesta postagem trago diversos momentos de meu olhar sobre a cidade. Começo com uma vista do  Theatro Municipal de São Paulo. Após o almoço, eu e meu marido fomos ao  Shopping Light tomar um café no 3º andar.  Lá, além de degustar um bom café, pudemos  apreciar a vista do Theatro Municipal, Viaduto do Chá e parte do Vale do Anhangabaú e sentir o movimento de allegro que o dia e o local evocavam.

 Muitas vezes passamos várias vezes  pelo mesmo local e não nos damos conta de detalhes, pois ou não olhamos com a devida atenção, ou não nos permitirmos olhar diferente. Em  um  movimento andante, de repente paro por um instante, olho e  contemplo algumas obras em São Paulo, como, por exemplo o Mosteiro de São Bento, ao lado da estação de metrô São Bento.

mosteiro s  bento

Ainda no movimento andante, enquanto circulo pela Estação Sé do metrô, sou seduzida por uma beleza infinita. De dentro da estação, andando no jardim, olho para cima e vejo a Catedral da Sé, entre as folhagens do jardim, vejo uma imagem que lembra uma cena medieval:

sé

Andando pelo Centro Velho, ouço um outro movimento, que em nada se parece com o minueto clássico, pois seus compassos e harmonia são muito diferentes da música ocidental; entretanto, é uma visão ao mesmo tempo singela, pela disposição em que se apresenta, no chão do calçadão da praça, quanto complexa, pela sutileza e profundidade sonora da música oriental. Tudo isso encontrei neste músico que tocava ao meio dia, com o sol a pino, na Praça do Patriarca com Rua Direita. Vejam só;

música indiana

Gostaria de finalizar esta postagem  com o movimento  allegro  registrado em dois momentos na cidade. O primeiro foi em março de 2013, ao presenciar um momento lindo e mágico da Natureza, quando esta presenteia-nos com um Arco Iris, que vi na Marginal Tietê , próximo à  Ponte dos Remédios, pouco antes de um temporal, mas já caindo algumas gotas da chuva:

arco íris na marginal tietê

O segundo momento foi em novembro de 2013, quando notei uma banca de jornal muito alegre e viva por meio da arte que nela estava impregnada, na Rua Amaral Gurgel, embaixo do Elevado Costa e Silva. Olhem só:

Banca na Rua Amaral Gurgel

E é por meio de alguns movimentos registrados em imagens fotográficas de momentos significativos em São Paulo,  onde encontro sentido de ser e de estar nesta metrópole. Por isso e por muito mais, quero parabenizar esta cidade. Esta São Paulo que não para de se movimentar, de crescer, de surpreender nossos sentidos, nossas percepções, ampliando nossos olhares e intensificando os sentimentos de todos aqueles que se permitem ligar e religar com  e com as pessoas que aqui moram.

Parabéns São Paulo por seus 460 anos!!

Começando 2014 com poesia e música

01/01/2014

pomba_branca

Quando chega o último dia do ano  temos por tradição desejar a paz, prosperidade, saúde e sucesso aos amigos e familiares. Dessa forma, deixamos que finalize o ano anterior e saudamos  o novo que se anuncia. O primeiro dia do ano, o  1º  de Janeiro, é conhecido internacionalmente como o Dia  Mundial da Paz, ou ainda o  Dia da Confraternização Universal.

Hoje encontrei entre vários posts no Facebook, alguns traziam e traduziam por meio da  expressão poética o desejo de PAZ, saúde, felicidade, enfim, tudo o que caracteriza este Dia da Confraternização Universal.

Compartilho com vocês um pouco da arte poética de dois amigos cordelistas, que são: Pedro Monteiro e Varneci Nascimento:

De Pedro Monteiro:

Em sete versos poéticos
Eu quero te desejar
Duas mil e quatorze estrelas
Que não cessem de brilhar,
Com muita esperança acesa,
Paz e alimento na mesa,
Saúde e brilho no olhar. (Pedro Monteiro)

De Varneci Nascimento:

Que se vá dois mil e treze,
Dois mil e catorze venha
Trazendo muito saúde
E o segredo da senha
Para que a felicidade
Entre a gente se mantenha.

A força que toda a terra
Precisa nos seja dada,
A paz esteja preãomorada
E a nossa humanidade
Pra sempre pacificada.

Eu desejo a cada um,
Saúde, paz, alegria.
Sucesso na sua vida
E um mundo de harmonia
Bastante prosperidade
Visite o seu dia a dia. (Varneci Nascimento)

Para finalizar compartilho a canção A PAZ (de  Gilberto Gil e João Donato) na interpretação de  Zizi Possi.

Desejo a todos um 2014 de Paz e Realizações!

Um super abraço!

Coisas boas da vida

31/12/2012
coisas boas da vida

Imagens sobrepostas do Clip “Não custa nada” (Música em Família)

O ano de 2012 já está no fim. Muitas coisas aconteceram e não registrei, aqui no blog, por diversos  motivos: alguns justificáveis, outros nem tanto. Mas, como manda a tradição de final de ano: renovamos nossas promessas, renovamos nossos sonhos, planejamos novos acontecimentos e projetamos mudanças  de vida, e na vida.

Neste ano me ocupei bastante com o Facebook, onde reencontrei pessoas e amigos que há muito tempo não via; mantive contato com amigos que moram em outros países,  conversei e ‘palpitei’ nos posts de ex-professores (que se tornaram bons amigos),  reforcei os laços com os amigos que já tinha, enfim, a minha rede aumentou bastante.

Também viajei, fui visitar familiares na Paraíba, em Campina Grande, João Pessoa e Umbuzeiro, em outubro. Isso é uma coisa muito boa: rever amigos e parentes, visitar outros lugares e apreciar a beleza da vida e das relações.

Este 2012 foi o ano de alguns centenários, como Nelson Rodrigues, Jorge Amado e Luiz Gonzaga. A região Nordeste em peso, lembrou e comemorou  o centenário de Luiz Gonzaga. Aqui no Sudeste também, principalmente em comemoração às festas juninas. Muitas escolas e organizações sociais (vi em algumas que visitei) desenvolveram projetos com  essa temática. Em Campina Grande visitei um bonito monumento em homenagem a Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. Vejam nas fotos:

homenagem a Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro

Monumento em homenagem a Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro-  Açude Velho – Campina Grande

3

O meu encontro com Luiz Gonzaga

1-

O encontro de  Ivanilson e Ulisses com o pandeiro do Jackson

Ainda na Paraíba, visitamos a cidade de Umbuzeiro, onde nasceu meu marido. Lá, outra coisa boa da vida foi uma visita a amigos, em seu pequeno sítio, onde meu filho Ulisses teve contato pela primeira vez com alguns animais, como cavalos, porcos, vacas, cabras… olhem só:

001

???????????????????????????????

???????????????????????????????

Neste passeio em Umbuzeiro uma coisa muito boa foi acordar ao som dos galos! O pequeno Ulisses nasceu na metrópole São Paulo. Um paulistano da gema, até aquele momento nunca ouvira o canto dos galos. Numa madrugada, acordou com muitos galos cantando no quintal de casa e dos quintais vizinhos. Ele ficou ouvindo com  muita curiosidade e atenção, e só após um certo tempo, voltou a dormir. Creio que foi o momento mais marcante daquela viagem para o pequeno nascido na ‘cidade grande’.  Na foto abaixo um dos galos cantantes que, de manhã, estava passeando pelo quintal da Vovó Lala.

3-11-12-galo

Entre as coisas boas da vida estão os encontros, e neles podemos desfrutar da Presença e da companhia daqueles que amamos e nos amam. Abaixo o registro do encontro de gerações:

Abaixo, o neto e a vovó Lala, em Umbuzeiro-Pb. Ainda ao fundo podemos ver umas das serras do Planalto da Borborema.

lala e ulisses

Na foto abaixo, minha mãe, Isaurina, eu e meu filho Ulisses:

com vovó3

Ainda no encontro de gerações, dois momentos com a minha querida amiga Neuza Guerreiro de Carvalho, a vovó Neuza. Neuza vem me acompanhando há algum tempo e tem participado de minha história de vida com muito carinho e atenção; acompanhou minha gestação, e fez questão de fazer o primeiro bolo de aniversário do Ulisses, e também o segundo; nas fotos abaixo, um registro do 1º ano do Ulisses, na companhia da amiga Jolanda Gentilezza, e, na foto em seguida,  o amigo Hélio nos brinda com sua presença:

Slide1

Antes desse encontro com Neuza, fizemos, em casa mesmo, um bolo de aniversário para o Ulisses com a presença de primos e afilhados.  Foi uma deliciosa celebração de dois anos do pequeno Ulisses:

???????????????????????????????

Ainda nos encontros festivos, lembro da querida Catarina Angeli, filha de minha amiga e astróloga Marilena Angeli. Neste 2012, estivemos  presentes em seu aniversário, um encontro muito  significativo e afetivo, pois vi Catarina nascer e crescer, e hoje, ela acompanha o crescimento do pequeno Ulisses:

Slide1

Entre os encontros significativos:  destaco a beleza infanto juvenil do encontro de meus dois afilhados: Yuri e Clara:

afilhados

Da última postagem até esta, passamos pela Primavera. Que maravilha de estação! Pude fazer pequenos registros de momentos lindos da Natureza, que nos oferece todos os dias coisas boas e que não custam nada. Precisamos contemplar e preservar apenas. Passando pelo Centro de São Paulo, entre as Ruas: São Bento, Líbero Badaró e Av. São João, pude contemplar a Natureza enfeitando e presenteando a  ‘Selva de Pedra’.  Olhem só as seguintes imagens:

primavera no centro

primavera no centro1

Ainda nesta Primavera, presencio a Vida alimentando a vida. Passando pela região central, na  passarela da Praça das Bandeiras, vejo, no meio do tronco de uma árvore, uns filhotinhos de passarinhos esperando que sua mãe lhes traga um pouco de alimento.  Olhem só a sequência de fotos:

Foto 1:pássaro01

Foto 2:pássaro02

Foto 3: pássaro03

A vida nos oferece muitas coisas boas, cabe a nós ver, apreciar e cuidar, deixando cada um  ser o que é, e promover o crescimento. Dentro dessa ideia, coloco novamente o pequeno Ulisses. Dessa vez ele foi flagrado fazendo arte, na sala de casa. Vejam a reação do pequeno:

ulisses fazendo arte

ulisses fazendo arte 02

Essa atividade ‘arteira’ para a criança é muito importante, quanto à parede….somente uma nova pintura que pode ser feita e refeita várias vezes, entretanto, esse momento não vai se repetir. É importante ter a noção de que eles, os filhos, crescem e ficam as saudades. Sempre lembro de um amigo que dizia: “Viva e deixe viver”… e creio que assim podemos curtir as coisas boas da vida.

Também tive muitos outros momentos bons e bonitos que não estão aqui, mas  todos muito significativos.

Dentre tantas postagens de amigos no Facebook, uma me chamou a atenção pela simplicidade e beleza: é a canção “Não custa nada”, letra e música de Paula Santisteban e Eduardo Bologna. Ela começa com os seguintes versos:

Eu descobri que as coisas boas da vida
são de graça,
não custam nada.
Eu descobri que o mundo inteiro
pode ser o meu jardim,
a minha casa.
O teu abraço
não custa nada.
Um beijo seu
não custa nada.
A boa ideia
não custa nada.
Missão cumprida
não custa nada.
E quando tudo parecer que está perdido
Dê uma boa gargalhada.

Compartilhei a postagem dessa canção e vi que tocou também a outras pessoas. O clipe é bonito e sensível. Vale a pena ver. Por isso, compartilho aqui também e convido  vocês a assistirem:

Desejo a todos um Ano Novo de muitas e muitas oportunidades e realizações!

Comemorando o Dia Mundial do Rock com muita música

13/07/2012

Hoje, dia 13 de julho é o Dia Mundial do Rock e certamente algumas rádios vão dar um destaque sobre tudo o que envolve o rock’n roll .

Aqui, neste espaço,também quero dar destaque e relembrar o que mais marcou minha trajetória.

Em agosto de 1977, eu era muito criança quando o Rei do Rock, Elvis Presley deixou a nave Terra e desembarcou noutras esferas. Cheguei a conhecê-lo e ouvi-lo já na adolescência e ouvia muito pelo rádio. Compartilho com vocês algumas das minhas favoritas:

Jailhouse Rock

Blue Suede Shoes

The Beatles conheci por influências de amigas, de seus pais e tios.

The Beatles – Get Back

John Lennon – Stand by me

A Banda irlandesa U2 também  fez parte de minhas andanças. Destaco um grande momento desta banda com o Mestre BB King:

U2 e BB King  When Love Comes To Town

Ouvi também muito Rock progressivo ainda adolescente. Compartilho a banda inglesa YES .

Owner Of A Lonely Heart

Destaco a banda Led Zeppelin, com Kashmir:

Uma das bandas de Rock progressivo que conheci depois dos meus vinte anos, quando já estava casada, foi a banda Jethro Tull. Tínhamos um disco em vinil que ouvíamos várias vezes. E uma das músicas que eu mais gostava chamava-se Budapest. Vamos ouvir?:

Budapest- Jethro Tull

Bem, há muito mais que trarei noutras postagens. Agora não posso deixar de lado o nosso Rock nacional.Ouvi muito  Titãs, IRA!, Barão Vermelho, Legião Urbana…

Titãs- Flores

Titãs- Homem primata

Barão Vermelho – Bete Balanço

Barão Vermelho – Pense e Dance

IRA!-Dias de Luta

Legião Urbana – Quase sem querer

Um grande dia Mundial do Rock para a blogosfera!