Archive for the ‘FESTA JUNINA’ Category

Hoje a festa é para São João

24/06/2016

estandarte-sao-joao-batista-menino

São João é tempo de festa
Alegria, animação
Onde o povo faz fogueira
E já é uma tradição
Comer muito milho verde,
Ver quadrilha no salão.

(Francisco Diniz no cordel: “A grande festa do Nordeste”)

 

Hoje é dia de São João e em todos os lugares desse nosso Brasil se rememora e celebra com festas.

Me recordo que na cidade em que nasci, Anadia, em Alagoas, comcemorei muito com fogueira, milho verde assado na brasa, fogos e muita música ao som do forró de Luiz Gonzaga e diversas marchinhas juninas. A marchinha: São João na Roça, de Zé Dantas e Luiz Gonzaga, é uma das minhas preferidas:

A fogueira ta queimando
Em homenagem a São João
O forró já começou
Vamos gente, rapa-pé nesse salão

 

Nas cidades do interior, se comemora na noite do dia 23 para o 24 de junho com muita fogueira e fogos. A fogueira era montada na frente das casas com a imagem de São João muitas vezes ao fundo da casa.

fogueira-de-são-joão-

imagem do Google

 

Poetas, artistas plásticos, músicos, cordelistas e admiradores reverenciam a São João neste dia.

Aqui uma homenagem do artista plástico pernambucano Militão dos Santos para a festa de  São João:

obra de Militão dos Santos

Militão dos Santos-Festa de São João

Finalizo minha homenagen com a canção de Caetano Veloso: São João Xangô Menino, na voz de Maria Bethânia:

VIVA SÃO JOÃO!

Anúncios

13 de junho: dia de Santo Antônio

13/06/2016
Santo-Antônio-de-Pádua-com-o-Menino-Jesus

Santo Antônio de Pádua com o Menino Jesus

 

Junho é um mês de festa. E hoje, 13 de junho é o dia de Santo Antônio.

Aqui, compartilho e republico uma postagem do Blog Cordel Atemporal, de meu amigo Marco Haurélio:

Bendito em louvor de Santo 

Santo Antonio

 

Socorre, Antônio, socorre,
Depressa, incontinenti,
Vai livrar seu pai da forca,
Que vai morrer inocente.

— Você fica aqui em Pádua,
Que eu vou lá em Portugal.
Vou livrar meu pai da forca,
Que sem culpa vai pagar.

Tenha, moço, a justiça,
Daí não consiga mais
E olhe que não é esse
O homem que vós pensais.

Veja que não sou Justino
Nem também falando torto.
Vim aqui justificar
Pela boca de um morto.

Te alevanta, corpo morto,
Vem aqui justificar
Se esse homem te matou
Ou sem culpa vai pagar.

— Esse homem não me matou
Nem por mim ele pecou.
Na hora da minha morte,
Mas ante’ ele me ajudou.

— Ô meu padre Santo Antônio,
Vossa glória é de reis.
Sei que é o padre santo Antônio,
Vencedor de todas leis.

Ô meu padre santo Antônio,
Me diga onde foi morar.
Embora eu não lhe conheça,
Mas mando lhe visitar.

— Oh meu pai, eu sinto muito
De você desconhecido.
Eu sendo seu filho Antônio,
Que de vós eu fui nascido.

Eu me chamava Fernando,
Mudei meu nome pra Antônio
Pra livrar as criaturas
Da tentação do demônio.

Eu de vós não quero nada,
Só quero a vossa benção.
Que eu vou para a Itália
Terminar o meu sermão.

 

Nota: Santo Antônio, segundo o relato tradicional, estava em Pádua, e teve de se deslocar até Lisboa para livrar seu pai, acusado de homicídio, da forca. A lenda descreve dois milagres: a bilocação, capacidade de estar em dois lugares ao mesmo tempo; e a ressurreição do jovem assassinado, que inocentou o pai de Santo Antônio.

A lenda está presente nesta quadra popular:

Santo Antônio é tão santo
Que livrou seu pai da morte
Bem podia Santo Antônio
dar-me uma bonita sorte

(Fernando de Castro Pires de Lima. Um milagre de Santo Antônio. Em LIRA, Marisa. Estudos de folclore luso-brasileiro).

Fonte: Seu Heliodoro (Dorão), já falecido.

Serra do Ramalho, Bahia.

E viva Santo Antônio!