Archive for the ‘Educação’ Category

Encontros e Memórias no dia Internacional da Mulher

08/03/2017

Neuza em tarde de autógrafos

Neuza Guerreiro de Carvalho, conhecida também como vovó Neuza,  aos 86 anos  inspira e respira Memória. Ela promove encontros e cria oportunidades para o resgate de memórias.

Tive a oportunidade de encontrar Neuza  em abril de 2004, e desde então tivemos muitos e diversos encontros onde  compartilhamos muitas memórias.

Em um desses encontros, em dezembro de 2014, tive a oportunidade de estar presente no lançamento do livro: A Glette, o Palacete e a Universidade de São Paulo. Este livro tem vários organizadores, entre eles Neuza , que  escreve o terceiro e o décimo capítulo.

Aquele dia foi mais que um encontro para lançamento do livro. Foi a celebração e a realização de um projeto que teve alguns percalços enquanto estava sendo elaborado, mas que com a persistência de um grupo coeso, conseguiu chegar em sua finalização. Para mim foi um momento de intensa emoção, e tenho certeza de que também foi para Neuza.

Margarete e Neuza: um encontro afetivo

Neuza se considera e se denomina uma “Glettiana”.  No período de 1948 a 1951, Neuza fez o curso de História Natural pela FFCL-USP-FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO.  Naquela época esse curso da Universidade de São Paulo funcionava  em um palacete de moradia – O Palacete Glette.  Para saber mais sobre esta fase da Universidade de São Paulo, além de outras histórias do Palacete da Glette,  convido vocês  a acessar o link  Blog da Vovó Neuza.

O livro reúne as histórias, lembranças e memórias de um grupo de amigos e ex-alunos ( hoje professores da USP) que estudaram em algum momento no antigo Palacete da Glette. É um livro que visa resgatar uma parte da história da Universidade de São Paulo sob a narrativa daqueles que por lá passaram.

A Universidade que formou a bióloga Neuza Guerreiro de Carvalho, hoje, 08 de maio de 2017, a  recebe para ministrar aulas na Universidade Aberta à Terceira Idade. Neuza prefere dizer que são encontros, pois são mesmo. Segundo ela: “São os ENCONTROS DE RESGATE DE MEMÓRIA AUTOBIOGRÁFICA.  Não gosto da palavra ‘OFICINA’, embora de uso corrente. (…) Também não gosto de ‘WORKSHOP’, porque é palavra importada. Adotei para mim ‘ENCONTROS’. que diz bem o que faço.”

Neste dia Internacional da Mulher, Neuza vai reunir, ou melhor: encontrar com pessoas acima dos 60 anos para o “Encontro de Resgate de Memória Autobiográfica”, cujos objetivos são: “propiciar o resgate da memória buscando lembranças esquecidas com abordagem em uma filosofia, enfoque e caminhos próprios.  E também registrar esse resgate”.

Neuza vem trabalhando com Memória há muito tempo, sempre buscando estudá-la de várias formas, como: histórias de vida, histórias de família, histórias coletivas e resgate de Memória pessoal. Ela escreve sobre a história de sua família desde 1997 e já participou do Museu da Pessoa, onde trabalhou e conviveu com profissionais realizando entrevistas, transcrevendo e editando as Histórias de Vida.

Deixo aqui registrado meu respeito e admiração por esta mulher, pois sempre que vou visitá-la, faz questão de compartilhar comigo suas histórias, sua cultura, sua memória e, principalmente sua afetividade.

E hoje, neste dia Internacional da Mulher, destaco esta mulher, mãe, avó e profissional que já traz em sua identidade um sobrenome duplamente forte: Neuza Guerreiro de Carvalho.

Finalizo este post compartilhando um  vídeo onde Neuza fala sobre este trabalho. Vejam só:

Um super abraço!

Anúncios

Parque Buenos Aires: a natureza, a arte e outras leituras

22/02/2017

PARQUE BUENOS AIRES

Domingo é dia de fazer muitos passeios com a família e amigos. Uma das opções pode ser encontrada no bairro de Higienópolis: o Parque Buenos Aires.  Este parque se localiza  entre a Avenida Angélica e as ruas Piauí, Bahia e Alagoas.

É interessante notar que a cidade de São Paulo mesmo com o excesso de edifícios,  oferece diversas opções de lazer e espaços abertos. Dentre as várias opções, temos muitos parques, os verdadeiros redutos arbóreos na metrópole.

parque-buenos-aires1

Ao entrar parque, pela Av. Angélica,  nos deparamos com manifestações explícitas  de criatividade: seja pelos stands de moda e design, atividades sustentáveis, e também  pela gastronomia que integram a Feira Cultural conhecida como Mercado Buenos Aires, juntamente com a delícia de ouvir música ao vivo.

No dia 12 de fevereiro, pude ver um pouco do trabalho de música popular brasileira da cantora Cris Vecchio e do violonista Sérgio Arruda. Um primor!

musica-no-parque-buenos-aires

Na apresentação de Cris Vecchio e Sérgio Arruda, o público podia escolher a música que mais gostasse. Bastava escollher no ‘varal musical’ dentre os grandes sucessos da MPB, do Samba e do Choro. Olhem só:

musica-no-parque-varal musical

Caminhando pelo parque podemos ouvir alguns pássaros, como periquitos, tico-ticos, pardais, o que traz uma sensação de tranquilidade e harmonia. Continuado a caminhada, encontramos algumas obras de arte, como por exemplo a escultura do  “Leão atacado”:

parque-buenos-aires- leão atacado

 Podemos ainda nos encontrar com Lasar Segall  e sua escultura ‘Emigrantes’:

Escultura de Lasar Segall

Emigrantes – Lasar Segall

Ainda podemos encontrar a escultura “Mãe”, de Caetano Fraccaroli (em 1965), em um único bloco de mármore, que fica no ponto mais alto do parque.

Mãe- Caetano Fraccaroli

“Mãe”, de Caetano Fraccaroli

Nos arredores da praça, onde fica a escultura Mãe, vi uma imagem inusitada. Duas geladeiras recheadas de livros.  Pois é: uma Geladeiroteca. Vejam:
 geladeiroteca-buenos-aires2

geladeiroteca-buenos-aires

O projeto  Geladeiroteca, tem como objetivo incentivar a leitura de forma gratuita, onde as pessoas podem ler, pegar emprestado e doar livros.  Segundo o site da prefeitura, o  parque já contava com  uma geladeira com alguns livros que foram doados por uma conselheira.  Mas a ideia se materializou por meio de uma parceria com a ONG  Instituto Pequenos Grandes Guerreiros, no último dia 12 de outubro de 2016. Em uma das geladeiras existe uma informação que fala da origem dessa iniciativa e da Geladeiroteca Viva o Tom.Olhem só:

Geladeiroteca

 

Além disso, o Parque Buenos Aires abrirá seu espaço para outras trocas de leitura. No próximo dia 12 de março,  das 10h às 17h acontecerá o evento: Feira de Troca de Livros e Gibis 2017, da Secretaria Municipal de Cultura e do Sistema Municipal de Bibliotecas.

Vale a pena conferir toda essa atividade cultural ( e natural) no Parque Buenos Aires.

Bom passeio para todos!!

 

6 de janeiro: Dia de Reis

06/01/2017
Estátua dos Reis Magos em Natal - RN

Estátua dos Reis Magos em Natal – RN

 

 Hoje, dia 06 de janeiro, é lembrado e comemorado  O Dia de Reis. Uma data que encerra o ciclo natalino e abre os preparativos para o Carnaval. Segundo a tradição católica o Dia de Reis, celebra o dia em que os três reis magos levaram presentes ao menino Jesus

De acordo com essas tradições,  a comemoração do Dia de Reis vem desde  o século 8 quando  os reis  magos Melchior, Baltazar e Gaspar, três reis magos que depois de guiados  por uma estrela até o estábulo para presentear o menino Jesus . Esse episódio passou a ter uma representação na história da humanidade, além de diversas comemorações.

Particularmente, lembro e referencio este dia. E quero comemorar  e compartilhar com imagens colhidas na rede, além das manifestações que acontecem em todo o Brasil.

Inicialmente, trago a imagem da Arte Naif do artista pernanbucano Militão dos Santos: Folia de Reis

Folia de Reis - Militão dos Santos

                                       Folia de Reis por Militão dos Santos

Muitas comunidades no interior do Brasil, promovem os chamados Reisados ou Folias de Reis, que são festas folclóricas que receberam a influência das origens européias da celebração mas que adotaram formas, cores e significados locais bastantes próprios de nosso povo na expressão que virou parte de nossa cultura.

Os Reisados brasileiros envolvem música, dança, celebração religiosa, orações, com elementos específicos mais marcantes dependendo da região do país, e acrescenta a tradição de que aqueles que recebem a visita do Reisado em suas casas (na realidade, o simbolismo representa a visita dos Reis Magos a Jesus) devem oferecer graciosamente comida a seus integrantes, que realizam toda sua preformance de tradição folclórica-religiosa local, enaltecem o hóspede, que agradecem pela comida e seguem para o próximo destino.

Navegando na Rede, encontrei um belo documentário Expedições da TV Brasil: Reisados do Ceará. Vale a pena assistir, curtir  e compreender um pouco do sentido dessa tradição:

Na Rede Social do Facebook, meu amigo Marco Haurélio compartilhou a canção: Reisado (Santos Reis) com a interpretação da dupla Pena Branca e Xavantinho. Vamos ouvir?

 

Segue aqui o poema/canção que foi  recolhido pela folclorista goiana Ely Camargo, que em 2014, com seus 84 anos deixou um legado cultural e musical para os apreciadores da Cultura Popular:

O galo cantou no Oriente
Surgiu a estrela da guia
Anunciando à humanidade
Que o menino, Deus nascia
Em uma estrebaria

Vinte e cinco de Dezembro
Não se dorme num colchão
Deus menino teve a cama
E folha seca do chão
Pra nossa salvação

Senhora dona da casa
Óia a chuva no telhado
Venha ver o Deus Menino
Como está todo molhado
Os três reis a seu lado

Deus lhe pague a bela oferta
E vós deu com alegria
O Divino Santo Reis
São José Santa Maria

 

Essa tradição também é vivida em outros lugares do Brasil, como por exemplo em Alagoas.  Aqui relembro uma personalidade do reisado alagoano: Mestra Virginia de Moraes.

 

mestra Virginia de Moraes

Mestra Virginia de Moraes

Mestra Virgínia de Moraes nasceu em 1916  em  Rio Novo, Maceió, faleceu em 2003. Mestra de reisado, cantadora, rezadeira, benzedeira, parteira de profissão, autora e intérprete de belas poesias e da música popular tradicional alagoana. Aqui trago o sua Marcha do Reisado. Vale muito a pena ouvir.

Aqui deixo registrado minha homenagem ao dia de Santos Reis!

Viva!

Literatura de Cordel: memória, afetividade e contação de histórias

21/03/2016

Faz muito tempo que aprecio e divulgo, sempre que há oportunidade, a Literatura de Cordel, a poesia e contação de histórias. Nestes últimos dias, percebi que as artes literárias tiveram algumas comemorações: o dia Internacional do Contador de Histórias, no dia 20 de março, e o dia 21 de março é o dia mundial da poesia.

O dia Internacional do Contador de Histórias, 20 de março, foi criado em 1991, na Suécia, e tem como principal objetivo reunir os contadores e promover a prática em todo mundo. Já o dia Mundial da poesia foi  criado em 1999 pela UNESCO,  com o objetivo de estimular a produção e celebrar a poesia como forma de arte em todo o mundo.

No último sábado, dia 19 de março, tive a honra de ser convidada pelo amigo, pesquisador, cordelista e escritor Marco Haurélio para assistir sua palestra: Literatura de Cordel: memória e afetividade. A palestra integrou o I Colóquio  A Contação de Histórias como contribuição à Neuroeducação, que aconteceu no Colégio Passionista, na Zona Norte de São Paulo.

Palestra Marco Haurelio

Palestra Marco Haurélio no Colégio Passionista

Durante sua apresentação, que foi permeada de histórias contadas por meio do cordel, tive vários flashes de memória de quando conheci o Marco Haurélio e do período vivido como estudante de Pedagogia. Naquele período, principalmente no ano de 2008, eu estava pesquisando  para elaborar meu Trabalho de Conclusão de Curso, que teve o tema: Literatura de Cordel – percorrendo os caminhos da poesia.

Como servidora municipal tive a oportunidade de trabalhar nos espaços do Bosque da Leitura e assistir a diversas apresentações de  contadores de histórias, poetas, músicos, cordelistas e  repentistas.

Vanessa Castro - Out/ 2007-Bosque da Leitura Pq.Jd.da Luz

   Vanessa Castro – Out/ 2007-Bosque da Leitura Pq.Jd.da Luz

 

Débora kikuti-maio/ 2009- Bosque da Leitura Parque Jardim da Luz

   Débora Kikuti-maio 2009- Bosque da Leitura Pq Jd. da Luz

 

Elaine Gomes-OUT/2010- no Bosque da Leitura Pq Cidade Toronto

Elaine Gomes-OUT/2010- no Bosque da Leitura Pq Cidade Toronto

 

Repentista Sebastião Marinho no Bosque da Leitura do Parque do Trote -Julho/2012

Repentista Sebastião Marinho no Bosque da Leitura do Parque do Trote -Julho/2012

 

Cordelista João Gomes de Sá-SET 2012-Bosque da Leitura Parque Toronto

Cordelista João Gomes de Sá -SET/2012-Bosque da Leitura Parque Cidade de  Toronto

Tive a oportunidade de ouvir a incrível contadora de histórias Andrea Sousa, contando e encantando  histórias para crianças crescidas, na Semana do Servidor Público, em outubro de 2014, na Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Andrea Sousa - out/2014 Semana do Servidor

       Andrea Sousa – out/2014-Semana do Servidor-SMDHC

Atualmente algumas livrarias promovem contação de histórias, como é o caso da Livraria Cortez, no bairro de Perdizes, e a  Livraria Nove Sete, na Vila Mariana.

A Livraria Cortez, dentre outras atividades, abre suas portas para encontros com poetas, escritores, contadores de histórias, além de periodicamente promover no mês de agosto o evento Cordel na Cortez. Aqui, um pequeno registro por ocasião do lançamento do livro infanto juvenil, de Marco Hauélio: Os doze trabalhos de Hércules, com belíssimas ilustrações de Luciano Tasso. Neste dia, 12 de abril de 2012, também aconteceu uma bonita contação de histórias com o TEATRO DE GAIA .

Os 12 trabalhos de Hércules por Marco Haurélio e ilustrado por Luciano Tasso

Os 12 trabalhos de Hércules por Marco Haurélio e ilustrado por Luciano Tasso

Contação de história na livraria cortez 04-2014

            Contação de história na Livraria Cortez 12/04/2014

No ano passado, em abril de 2015, estive na Livraria Nove Sete no lançamento  do livro infantil: Nem borboleta, nem cobra, de autoria de Marco Haurélio. Naquela ocasião, a contadora de história Lucélia Borges prendeu a atenção de crianças de todas as idades ao contar a história que dá nome ao livro.

Lucélia Borges - contadora de histórias -abril/2015

Lucélia Borges – contadora de histórias -abril/2015

Percebi que ao narrar poeticamente a história, cria-se um laço  mágico entre o contador e os ouvintes, de modo a mantê-los unidos na palavra. Me atrevo a dizer que é a palavra a gênese da transformação em quem fala e, também naquele que ouve, ou seja: na comunicação de coração a coração por meio da história, da poesia que necessita da memória e do afeto para fazer e manter as conexões harmônicas entre as pessoas.

Observando cada um em seu estilo, se percebe que todos têm histórias para contar: quer sejam em forma de narrativas, canções, cantorias ou poesia. Cada um de nós é um contador de histórias e cada um traz uma carga de memória e afetividade na arte da comunicação humana.

Para finalizar e comemorar o DIA INTERNACIONAL DA POESIA recorro à página do Facebook do amigo Pedro Monteiro e tomo emprestado os versos  que ele fez para celebrar nesta data, e sua imagem entre os livros e os cordéis.

Em cada curva da estrada
Um balaio de alegria,
Ou abordo de um veleiro
No mar da sabedoria,
Pelo remanso da calma
Faz-lhe um afago na alma,
Erudição e poesia.

Pedro Monteiro -Poeta e Cordelista

Pedro Monteiro -Poeta e Cordelista

 

Acredito que é muito importante desenvolver o espírito poético e mantê-lo vivo frente às condições históricas atuais.  A Arte é o que nos mantém vivos e humanos.

Um super abraço!

Zumbi dos Palmares: luta, liberdade e resistência

20/11/2015
Antônio_Parreiras_-_Zumbi_2

Quadro pintado em 1927 por Antonio Parreiras

 

Zambi – Edu Lobo (1965)

É Zambi no açoite, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi
É Zambi na noite, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi

Chega de sofrer, ei!
Zambi gritou
Sangue a correr
É a mesma cor
É o mesmo adeus
É a mesma dor

É Zambi se armando, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi
É Zambi lutando, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi

Chega de viver, ê
Na escravidão
É o mesmo céu
O mesmo chão
O mesmo amor
Mesma paixão

Ganga-zumba, ei, ei, ei, vai fugir
Vai lutar, tui, tui, tui, tui, com Zambi
E Zambi, gritou ei, ei, meu irmão
Mesmo céu, tui, tui, tui, tui
Mesmo chão

Vem filho meu
Meu capitão
Ganga-zumba
Liberdade
Liberdade
Liberdade
Vem meu filho
É Zambi morrendo, ei, ei, é Zambi
É Zambi, tui, tui, tui, tui, é Zambi
Ganga Zumba, ei, ei, ei, vem aí
Ganga Zumba, tui, tui, tui, é Zambi

 

Nesta postagem, minha intenção é destacar algumas expressões artísticas em torno do Mito:  Zumbi dos Palmares.

Zumbi dos Palmares é um símbolo de Luta pela Liberdade e Resistência para mantê-la.  Neste dia 20 de  Novembro, Dia da Consciência Negra, penso que a imagem de Zumbi vai  muito além, representando e inspirando todo aquele que não se deixa subjugar.

Comecei a postagem com a pintura, de 1927  do artista plástico carioca Antonio Parreiras. Em seguida, trouxe a letra-canção de Edu Lobo, pois acredito que traduz bem a história de Zumbi. Ouçamos a música:

 

Em termos de sétima arte, pode-se destacar o clássico: Ganga Zumba, filme de 1964, produzido por Cacá Diegues  com destaque para interpretação de Antonio Pitanga. Ainda de Cacá Diegues, em 1984, em uma co-produção francesa, temos o filme Quilombo. Neste filme temos um fabuloso elenco com: Zezé Motta, João Nogueira,  Grande Otelo, Antônio Pitanga e uma rica constelação de  artistas. E o melhor é que ainda podemos assistir na íntegra pelo YouTube:

 

Terminando com mais  música:  a  composição Zumbi de Jorge Ben Jor na interpretação de Caetano Veloso:

E por fim, vamos apreciar a canção  O Canto das Três Raças, de Paulo César Pinheiro e Mauro Duarte, com o próprio Paulo César.

Saci Pererê: uma lenda do folclore, várias leituras e seu reconhecimento

31/10/2015

A Lenda do Saci - Capa

A lenda do Saci Pererê é contada e recontada há anos e com muitas versões.

O nome: Saci – Pererê  era originalmente: Yaci-Yaterê de origem Tupi Guarani.  Algumas versões falam que os Sacis vivem setenta e sete anos e se originam do bambu. Após sete anos de “gestação” dentro do gomo do bambu ele sai para uma longa vida de travessuras e quando morre se metamorfoseia em cogumelos venenosos ou em “orelhas de pau”. Quem é do interior ou já foi ao campo a passeio deve ter visto alguma vez, uma espécie de cogumelo que se forma nos troncos das árvores e que se parece com uma orelha.

Há ainda a versão de que o Saci  originou-se entre as tribos indígenas do sul do Brasil e recebeu influência da mitologia africana, o saci se transformou em um negrinho que perdeu a perna lutando capoeira, além disso, herdou o pito, uma espécie de cachimbo, e ganhou da mitologia europeia um gorrinho vermelho. Sua principal característica do saci é a travessura e diverte-se com os animais e com as pessoas. Por ser  muito moleque ele acaba causando transtornos, como: fazer o feijão queimar, esconder objetos, jogar os dedais das costureiras em buracos. Segundo algumas versões a carapuça do Saci lhe dá poderes mágicos, como:invisibilidade, faz desaparecer objetos, prende as pessoas, derruba água, faz uma chama de fogão se acender sozinha, etc. Quando alguém consegue tirá-la de sua cabeça, o Saci fica sob o domínio dessa pessoa. Mas dada sua esperteza, ele acaba roubando o gorro de volta.

Monteiro Lobato, em 1921, lança o livro: O Saci. Atualmente este livro tem como Editora Globo e ilustrações de Paulo Borges. No livro, enquanto Pedrinho passa férias no Sítio do Picapau amarelo, o tio Barnabé lhe conta as suas histórias do Saci para a criançada e, então, Pedrinho se vê desafiado a pegar o Saci e então a fantasia ganha muitas formas.

saci

Em 2009, nasce o livro: A lenda do Saci Pererê em cordel, do escritor e cordelista Marco Haurélio e ilustrações de Elma. É uma viagem rimada e ritmada, onde o autor bebeu das fontes do folclore capixaba para compor sua releitura. Aqui, um pequeno trecho:

Passou o tempo e o Saci
Voltou àquela fazenda.
Parece que o danadinho
Vinha mesmo de encomenda,
Causando aborrecimentos,
Numa algazarra tremenda.

Ele amassava as panelas,
Sujava a casa todinha,
Misturava nas vasilhas
O açúcar com a farinha,
E ia embora sorrindo,
Pulando numa perninha.

A mãe aflita rezava
As orações que sabia,
Mas o moleque danado
Cada oração repetia,
Arremedando a mulher,
Que muito se aborrecia.

O Saci ganhou o dia 31 de outubro. Fruto de reivindicações e projetos de lei que foi sancionado em 2003 (projeto de lei federal nº 2.762, de 2003 -apensado ao projeto de lei federal nº 2.479, de 2003), com o objetivo de resgatar figuras do folclore brasileiro, em contraposição ao “Dia das Bruxas”, ou Halloween, de tradição cultural celta.

Para finalizar, compartilho este pequeno filme sobre o SACI PERERÊ, que considero uma produção muito sensível e bela.

Um super abraço!

O Trenzinho do Caipira e do Nicolau

15/10/2015

Ainda na temática infantil, no dia das crianças me lembrei de um episódio que aconteceu  em maio de 2014, quando o Ulisses trouxe um livro do CCI (Centro de Convivência Infantil) 13 de Maio, no Projeto de Leitura.

No Projeto de Leitura, que tinha a orientação e condução da professora Ana Flávia, as crianças  escolhiam um livro, que era lido em sala para elas. Depois o livro escolhido é levado para casa pela criança para que aconteça uma interação com a família, ou seja: a criança ‘conta’, à sua maneira,  a história para seus pais/responsáveis e ou irmãos,  ou ainda os pais podem ler com e para a criança.

Em maio o Ulisses escolheu o livro: O Trenzinho do Nicolau, de Ruth Rocha. Ulisses estava tão empolgado que começou a ler no caminho da escola para casa.  Chegando em casa o pequeno Ulisses pediu para que eu  lesse/contasse a história.

Livro: O trenzinho do Nicolau, de Ruth Rocha

Livro: O trenzinho do Nicolau, de Ruth Rocha

Enquanto eu lia, muitas imagens e lembranças passavam na minha cabeça. Lembrei da música: O trenzinho do Caipira,nas suas versões orquestrada, pois é a Bachiana nº 2 de Villa Lobos; depois,  a versão cantada que tem como letra o poema de Ferreira Gullar. Na versão cantada, existem várias interpretações com grandes e bons intérpretes da MPB.

Depois da leitura, foi a vez apresentar a letra, o som e o vídeo ao pequeno  heroi.  Inicialmente, declamei o poema de Ferreira Gullar , escrito em 1976:

Lá vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade e noite a girar
Lá vai o trem sem destino
Pro dia novo encontrar
Correndo vai pela terra
Vai pela serra, vai pelo mar
Cantando pela serra do luar
Correndo entre as estrelas a voar
No ar, no ar

Depois da poesia do Ferreira Gullar, chegou o momento de apresentar a música. Procurei no You Tube e achei um vídeo muito simples e artesanal, com a música orquestrada:

Em seguida, mostrei  um vídeo em preto e branco, bem singelo, com a versão cantada por Adriana Calcanhoto:

Depois  de ver o vídeo algumas várias vezes, Ulisses resgatou um pequeno trenzinho que estava ‘escondido’ no fundo do seu  baú de brinquedos, e por algum tempo, ficou curtindo seu brinquedo, esquecendo um pouco os ‘tradicionais’ carrinhos.
Ulisses e o trenzinho

Ulisses e seu trenzinho

Vocês não conhecem  “O Trenzinho do Nicolau” ?
Então escutem uma criança contar a história:

Ainda nesta viagem de trem, lembrei da interpretação de Maria Bethania do Trenzinho Caipira, onde ela faz uma inserção de poesia ” Trem de Alagoas”, do pernanbucano Ascenso Ferreira.
Convido a todos a conhecer esta poesia por meio da bela declamação do grande Paulo Autran:

 O mais interessante nessa viagem  é poder perceber que a escolha de um livro pela criança, pode nos possibilitar outros voos:  na música, na poesia e na história.É interessante notar que tudo isso acontece no universo da educação infantil, que conta com o  profissionalismo e planejamento de bons professores.
Aqui fica o agradecimento de uma mãe no dia dos Professores, ao profissionais que conseguem,  a partir de um livro, de uma leitura,  inserir  e oferecer outros contextos e linguagens às crianças.

No Centro de Convivência Infantil que o pequeno Ulisses frequentou, no bairro da Bela Vista, desde o primeiro ano de vida até os 3 anos e meio, contou com professores atenciosos e dedicados. Profissionais de primeira grandeza, que merecem respeito e reconhecimento de todos e, principalmente, das autoridades/gestores municipais que têm uma grande dívida para com os Professores.

A todos os Professores fica nosso carinho e nossos agradecimentos neste e em todos os dias!

Um super abraço!

A Primavera e suas expressões

23/09/2015

Primavera- Arcimboldo

Hoje, 23 de setembro de 2015, às  5:20h (horário de Brasília) temos o início da Primavera, a  estação das flores.

Para recebê-la, e reverenciá-la, recorro às artes. Cada artista procura retratar sua visão e suas percepções sobre as quatro estações. Inicialmente encontro expressões na pintura com Giuseppe Arcimboldo e Sandro Botticelli.

Na abertura desta postagem  temos a obra de Arcimboldo:  ” A Primavera”.

No  século XVI, Arcimboldo  utilizou imagens de flores, frutas e verduras para compor suas obras. Arcimboldo seria um ‘rebelde’ para o tempo em que viveu. Naquela época, as obras desse pintor italiano, eram consideradas “o fim do mundo” para muita gente.  Séculos depois, se reconheceu que seu estilo  faz conexões com o movimento surrealista.

 Ainda com  Arcimboldo, vejam como ele retratou a Flora:

Flora, de Arcimboldo

Alessandro di Mariano Filipepi, mais conhecido como: Sandro Botticelli, pintou cenas mitológicas, como “A Primavera” e “O Nascimento da Vênus”,  possivelmente a  mais célebre obra do Renascimento.

Vejamos a obra “A Primavera”:

primavera botticelli

Agora, “O Nascimento de Vênus”:

Sandro_Botticelli_046

 

Na pintura ‘O nascimento de Vênus’, Sandro Botticelli  representa a deusa Vênus que, segundo a mitologia greco – romana, retrata a deusa Vênus (Afrodite) emergindo das águas em uma concha, sendo empurrada para a margem por Zéfiro, o Vento Oeste, e recebendo, de uma Hora (as Horas eram as deusas das estações), um manto bordado de flores.

Lindas pinturas, não acham?

Ainda nas expressões artísticas e musicais, não poderia esquecer de outro italiano, Antonio Vivaldi e sua obra “As quatro estações”, com o movimento “A primavera”. Aqui, vamos ouvir uma interpretação inusitada (ou seria ousada?) com a Orquestra Paulistana de Viola Caipira.

Ouçam só que bárbaro!!

 

Saindo um pouco do clássico e ‘pulando’ para o popular, temos a canção “Primavera”,composição de: Cassiano e Sílvio Rochael, na voz do inesquecível  Tim Maia:

Para concluir esta postagem, trago alguns registros que fiz nos últimos dias pelos caminhos que percorro nas ruas de Sampa:

Manacá da Serra

Manacá da Serra

 

20150913_092024-1

Hibiscus

Orquídeas

Orquídeas

 

Uma linda e florida Primavera para todos!!

 

Super abraço!

 

Árvores e memórias no dia da Árvore

21/09/2015

Hoje,  dia 21 de setembro é o dia da Árvore. Precisamos, além de plantar, conservar as que temos. Os motivos, todos sabemos: o fundamental é a Vida, do Planeta e também a nossa.

Tenho  feito muitos registros fotográficos em minha  caminhada pela vida, muito embora eu não seja uma fotógrafa profissional,  amo muito a Fotografia .

Para começar, quero compartilhar um pequeno registro que fiz hoje pela manhã, ao ir para o trabalho.

De dentro do ônibus, na av. Francisco Matarazzo, ao lado do Parque da Água Branca, temos o Colégio Olga Ferraz. Dentro dele há uma frondoza mangueira que já está começando a dar o  seu delicioso.

 

20150921_095907

Mangueira em frente ao Colégio Olga Ferraz, na Av.Francisco Matarazzo. Foto: Margarete Barbosa

Fotografia aproximada da mangueira em frente ao Colégio Olga Ferraz, na Av.Francisco Matarazzo. Foto: Margarete Barbosa

Fotografia aproximada da mangueira em frente ao Colégio Olga Ferraz, na Av.Francisco Matarazzo. Foto: Margarete Barbosa

 O Colégio Olga Ferraz faz parte da minha história de vida, pois nele fui alfabetizada nos anos 70. Meus estudos foram  até a  2ª série (hoje seria o 3º ano). Na época, o colégio era da rede estadual e nos anos de 1990 passou para a rede particular.  Na época em que estudei, o colégio era da rede estadual e nos anos de 1990 ele passou para a rede particular.

Olhando a imagem da mangueira em frente da escola, lembrei que o grande educador Paulo Freire tem um livro chamado: “À sombra desta mangueira”, onde ele, por meio de sua visão de mundo e experiências, vai discorrer sobre Estar no mundo, estar com o mundo e com os outros, de forma a desenvolver uma compreensão do humano no e com o mundo. Em outras obras, Paulo Freire se refere à mangueira e à sua sombra sendo os locais onde teve inicio seu processo de alfabetização e leitura do mundo.

Seguindo para o trabalho, no bairro da Lapa, passo pela rua Duílio e me deparo com uma pequena jaqueira. Vejam só:

Jaqueira no bairro da Lapa. Fotografia: Margarete Barbosa

Jaqueira no bairro da Lapa    Fotografia: Margarete Barbosa

O que me chamou a atenção na jaqueira foi a placa: “Sorria, você está sendo filmado”. No primeiro momento achei engraçado, mas fiquei pensando que deveria ser um alerta para que as pessoas pudessem conservar e também saborear de seu  fruto suculento.

Estas duas árvores me levaram às minhas memórias de infância, no interior de Alagoas, em Anadia.  Lá, no pequeno sítio de minha avó, minha Mãe Maria, estive em contato com mangueiras, jaqueiras, cajueiros, umbuzeiros, dentre outras delícias que a Mãe Terra oferece.

Com estas imagens e memórias, retomo a escrita no meu Blog.

Um super abraço!

Margarete Barbosa

 

EmQuanta – A experiência da primeira infância

07/11/2013

Suzana Schmidt e EmQuanta

Núcleo Quanta – espetáculo EmQuanta
 
 

O mês das crianças terminou, porém deixou um gostinho de ‘quero mais’.

Foi um período de muitas curtições, entre os pais e seus pequenos. Curtições mesmo, pois os pais curtem tanto quanto seus filhos. Curtimos nos dias ensolarados levando-as aos parques, jogando bola, andando de bicicleta, brincando na areia e nas piscininhas ; curtimos quando o dia nublado deixa o clima mais intimista, aproximando muito a nossa criança interior da nossa cria que cresce,  nos surpreende, nos ensina  a cada dia a Arte de Viver.

O mês de  Novembro se inicia e, ao que tudo indica, será  um mês dedicado à Infância. E para isso a  Biblioteca Infanto Juvenil  Monteiro Lobato cederá seu espaço para o Ciclo de Conversas Primeira Infância, no próximo dia 08 de novembro, a partir das 9h30 . Este ciclo de conversas, será um encontro com profissionais de diversas áreas para discutir a primeira infância sob múltiplas perspectivas. Abaixo podemos ver a programação do dia.

primeira infância

Mas não para por aí…  Integrando essa proposta e ampliando nos rumos da Arte e da Dança, o Núcleo Quanta apresenta o espetáculo EmQuanta e nos convida a viver a infância que tivemos, por meio da criança que fomos e ainda ‘guardamos’; nos convida a compartilhar da infância de nossos filhos com toda a leveza e ludicidade.

Tive a grata oportunidade de vivenciar e compartilhar este espetáculo, esta dança, este jogo de sentir e de sentidos durante o mês das crianças. Juntamente com esposo e filho, estivemos presentes no SESC Vila Mariana e experienciamos, com outras crianças e seus pais, a alegria de ser e de estar entre os pequenos/grandes atores, num jogo harmônico e repleto de movimentos, sons e sonhos. Sonhos que nunca terminam, mas que se renovam nas relações vivas e de Vida.

Aqui fica o meu pequeno registro do momento vivido com intensa curtição:

EmQuanta01

EmQuanta02

EmQuanta03

EmQuanta05

EmQuanta é um convite para pais e filhos para um jogo e exploração dos espaços, dançar, divertir-se com os sons e descobrir novas brincadeiras.É um espaço onde as crianças (pequenas e grandes) poderão viajar na leveza das nuvens à sonoridade das águas, do calor do sol à surpresa do esconde-esconde.

O espetáculo EmQuanta  estará nos seguintes dias e locais:

Dia 9 de novembro às 10hBiblioteca Brito Broca
Dia 10 de novembro às 10hBiblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato
Dia 12 de novembro às 14hBiblioteca Hans Christian Andersen
Dia 13 de novembro às 10hBiblioteca Thales Castanho de Andrade
Dia 21 de novembro às 10hBiblioteca Paulo Duarte
Dia 27 de novembro às 14hBiblioteca Vicente Paulo Guimarães
Dia 30 de novembro às 14hBiblioteca Lenyra Fraccaroli
Dia 7 de dezembro às 14hBiblioteca Camila Cerqueira Cesar
Dia 10 de dezembro às 10h30Biblioteca Belmonte

Vamos ver e rever nossa infância!

Um super abraço!