Archive for the ‘ARTES PLÁSTICAS’ Category

Parque Buenos Aires: a natureza, a arte e outras leituras

22/02/2017

PARQUE BUENOS AIRES

Domingo é dia de fazer muitos passeios com a família e amigos. Uma das opções pode ser encontrada no bairro de Higienópolis: o Parque Buenos Aires.  Este parque se localiza  entre a Avenida Angélica e as ruas Piauí, Bahia e Alagoas.

É interessante notar que a cidade de São Paulo mesmo com o excesso de edifícios,  oferece diversas opções de lazer e espaços abertos. Dentre as várias opções, temos muitos parques, os verdadeiros redutos arbóreos na metrópole.

parque-buenos-aires1

Ao entrar parque, pela Av. Angélica,  nos deparamos com manifestações explícitas  de criatividade: seja pelos stands de moda e design, atividades sustentáveis, e também  pela gastronomia que integram a Feira Cultural conhecida como Mercado Buenos Aires, juntamente com a delícia de ouvir música ao vivo.

No dia 12 de fevereiro, pude ver um pouco do trabalho de música popular brasileira da cantora Cris Vecchio e do violonista Sérgio Arruda. Um primor!

musica-no-parque-buenos-aires

Na apresentação de Cris Vecchio e Sérgio Arruda, o público podia escolher a música que mais gostasse. Bastava escollher no ‘varal musical’ dentre os grandes sucessos da MPB, do Samba e do Choro. Olhem só:

musica-no-parque-varal musical

Caminhando pelo parque podemos ouvir alguns pássaros, como periquitos, tico-ticos, pardais, o que traz uma sensação de tranquilidade e harmonia. Continuado a caminhada, encontramos algumas obras de arte, como por exemplo a escultura do  “Leão atacado”:

parque-buenos-aires- leão atacado

 Podemos ainda nos encontrar com Lasar Segall  e sua escultura ‘Emigrantes’:

Escultura de Lasar Segall

Emigrantes – Lasar Segall

Ainda podemos encontrar a escultura “Mãe”, de Caetano Fraccaroli (em 1965), em um único bloco de mármore, que fica no ponto mais alto do parque.

Mãe- Caetano Fraccaroli

“Mãe”, de Caetano Fraccaroli

Nos arredores da praça, onde fica a escultura Mãe, vi uma imagem inusitada. Duas geladeiras recheadas de livros.  Pois é: uma Geladeiroteca. Vejam:
 geladeiroteca-buenos-aires2

geladeiroteca-buenos-aires

O projeto  Geladeiroteca, tem como objetivo incentivar a leitura de forma gratuita, onde as pessoas podem ler, pegar emprestado e doar livros.  Segundo o site da prefeitura, o  parque já contava com  uma geladeira com alguns livros que foram doados por uma conselheira.  Mas a ideia se materializou por meio de uma parceria com a ONG  Instituto Pequenos Grandes Guerreiros, no último dia 12 de outubro de 2016. Em uma das geladeiras existe uma informação que fala da origem dessa iniciativa e da Geladeiroteca Viva o Tom.Olhem só:

Geladeiroteca

 

Além disso, o Parque Buenos Aires abrirá seu espaço para outras trocas de leitura. No próximo dia 12 de março,  das 10h às 17h acontecerá o evento: Feira de Troca de Livros e Gibis 2017, da Secretaria Municipal de Cultura e do Sistema Municipal de Bibliotecas.

Vale a pena conferir toda essa atividade cultural ( e natural) no Parque Buenos Aires.

Bom passeio para todos!!

 

Anúncios

6 de janeiro: Dia de Reis

06/01/2017
Estátua dos Reis Magos em Natal - RN

Estátua dos Reis Magos em Natal – RN

 

 Hoje, dia 06 de janeiro, é lembrado e comemorado  O Dia de Reis. Uma data que encerra o ciclo natalino e abre os preparativos para o Carnaval. Segundo a tradição católica o Dia de Reis, celebra o dia em que os três reis magos levaram presentes ao menino Jesus

De acordo com essas tradições,  a comemoração do Dia de Reis vem desde  o século 8 quando  os reis  magos Melchior, Baltazar e Gaspar, três reis magos que depois de guiados  por uma estrela até o estábulo para presentear o menino Jesus . Esse episódio passou a ter uma representação na história da humanidade, além de diversas comemorações.

Particularmente, lembro e referencio este dia. E quero comemorar  e compartilhar com imagens colhidas na rede, além das manifestações que acontecem em todo o Brasil.

Inicialmente, trago a imagem da Arte Naif do artista pernanbucano Militão dos Santos: Folia de Reis

Folia de Reis - Militão dos Santos

                                       Folia de Reis por Militão dos Santos

Muitas comunidades no interior do Brasil, promovem os chamados Reisados ou Folias de Reis, que são festas folclóricas que receberam a influência das origens européias da celebração mas que adotaram formas, cores e significados locais bastantes próprios de nosso povo na expressão que virou parte de nossa cultura.

Os Reisados brasileiros envolvem música, dança, celebração religiosa, orações, com elementos específicos mais marcantes dependendo da região do país, e acrescenta a tradição de que aqueles que recebem a visita do Reisado em suas casas (na realidade, o simbolismo representa a visita dos Reis Magos a Jesus) devem oferecer graciosamente comida a seus integrantes, que realizam toda sua preformance de tradição folclórica-religiosa local, enaltecem o hóspede, que agradecem pela comida e seguem para o próximo destino.

Navegando na Rede, encontrei um belo documentário Expedições da TV Brasil: Reisados do Ceará. Vale a pena assistir, curtir  e compreender um pouco do sentido dessa tradição:

Na Rede Social do Facebook, meu amigo Marco Haurélio compartilhou a canção: Reisado (Santos Reis) com a interpretação da dupla Pena Branca e Xavantinho. Vamos ouvir?

 

Segue aqui o poema/canção que foi  recolhido pela folclorista goiana Ely Camargo, que em 2014, com seus 84 anos deixou um legado cultural e musical para os apreciadores da Cultura Popular:

O galo cantou no Oriente
Surgiu a estrela da guia
Anunciando à humanidade
Que o menino, Deus nascia
Em uma estrebaria

Vinte e cinco de Dezembro
Não se dorme num colchão
Deus menino teve a cama
E folha seca do chão
Pra nossa salvação

Senhora dona da casa
Óia a chuva no telhado
Venha ver o Deus Menino
Como está todo molhado
Os três reis a seu lado

Deus lhe pague a bela oferta
E vós deu com alegria
O Divino Santo Reis
São José Santa Maria

 

Essa tradição também é vivida em outros lugares do Brasil, como por exemplo em Alagoas.  Aqui relembro uma personalidade do reisado alagoano: Mestra Virginia de Moraes.

 

mestra Virginia de Moraes

Mestra Virginia de Moraes

Mestra Virgínia de Moraes nasceu em 1916  em  Rio Novo, Maceió, faleceu em 2003. Mestra de reisado, cantadora, rezadeira, benzedeira, parteira de profissão, autora e intérprete de belas poesias e da música popular tradicional alagoana. Aqui trago o sua Marcha do Reisado. Vale muito a pena ouvir.

Aqui deixo registrado minha homenagem ao dia de Santos Reis!

Viva!

Como é bom ser criança!

12/10/2016
elena-salnikova-1970

            Pintura de Elena Salnikova (1970)- artista russa.

Começo esta postagem com a pintura da artista russa Elena Salnikova, onde ela retrata  a delícia da infância e do brincar.

Nos últimos dias tenho postado uma série de fotografias  na minha página no Facebook que intitulei: Como é bom ser criança! E é bom demais mesmo!

Hoje sabemos que os recursos tecnológicos nos oferecem muitas possibilidades, além de, em alguns casos ‘aprisionar’ o usuário do recurso ou programa. Daí a necessidade de recordar e estimular as coisas simples da vida e da infância, como curtir os parques, brincar nos balanços e gangorras, aproveitar o dia de sol, curtir o calor em uma piscina plástica, apreciar a natureza e desfrutar dela, enfim existe uma infinidade de atividades que podem e devem ser estimuladas em nossos filhos, em nossas crianças.  Penso que isso vai agregar muitos valores na formação de nossos pequenos.

Escolhi algumas fotografias onde meu filho Ulisses vive e descobre outras brincadeiras.

Compartilho nas fotografias abaixo sua vivência com primos em Umbuzeiro, na Paraíba.

bolinha de gude

Aprendendo a jogar bolinha de gude

Dentre as muitas brincadeiras que o pequeno Ulisses gosta, destaco a curtição em brinquedos no parque onde o convívio com outras crianças completa sua alegria.

no-parque

Brinquedos no Parque

O balanço é um dos brinquedos preferidos:

ulisses-no-balanco

Balanço- Ulisses em seu pequeno voo

Outro dia, em visita à casa de sua madrinha Ulisses e o papai Ivanilson adentraram no quintal e foram  colher  jabuticabas. O pequeno apreciou o sabor da fruta direto da fonte:

colhendo jabuticabas

Colhendo comendo jabuticabas

Quando o verão chega, a diversão é curtição é se refrescar em uma pequena piscina:

na-piscina

Curtindo o calor

Enfim, é sempre bom estimular outras brincadeiras e viver plenamente a infância.

Um feliz dia das crianças!!

Um super abraço!

29 de junho: dia de São Pedro

29/06/2016

estandarte-sao-pedro-santo-junino

 

E hoje, 29 de junho, o ciclo junino se completa com festas em homenagem a São Pedro. Ainda temos muitas festas juninas espalhadas pelo Brasil. As festas são tão intensas que avançam o mês de julho: são as festas julinas.

A história de Pedro, o discípulo de Jesus Cristo, está registrada no Novo Testamento. Era um pescador no mar da Galiléia junto com seu irmão de André, e foram chamados por Cristo para tornar-se “pescador de homens”. Seu nome original era Simão, mas Jesus deu-lhe o título de Kephas, que, em língua aramaica, significa “pedra”, e cujo equivalente grego tornou-se Pedro. Conta-se que o nome teria se originado quando Simão declarou: “Tu és Cristo, o filho de Deus vivo”, ao que Jesus respondeu “Tu és Pedro e sobre essa Pedra edificarei minha Igreja”, entregando-lhe as “chaves do reino do Céu” e o poder de “ligar e desligar”. Os evangelhos bíblicos mostram em muitas passagens, a posição de destaque ocupada por Pedro dentre os discípulos. No entanto, mesmo assegurando que jamais trairia Cristo, negou conhecê-lo por três vezes, quando seu mestre foi preso.  Conta-se a tradição, que não está relatada explicitamente no Novo Testamento,  que Pedro teria sido crucificado em Roma. O fato tem sido muito questionado, mas as pesquisas arqueológicas têm contribuído para confirmar a tradição, deixando claro que Pedro foi martirizado pelo imperador Nero.   Diz-se que Pedro pediu para ser crucificado de cabeça para baixo, para não igualar-se a Jesus. No local onde foi sepultado, segundo a tradição, ergueu-se a basílica do Vaticano, mas as escavações feitas no local não são conclusivas quanto ao fato de ali ser ou não o túmulo do santo.

Para comemorar o santo junino, compartilho  de algumas andanças pela rede, onde fui buscar referências artísticas, como esta pintura de Pietro di Cristoforo Vanucci:

as chaves para são pedro

Pietro di Cristoforo Vanucci, ou Pietro Perugino, (1450-1523) foi um pintor da Alta Renascença italiana. Em 1480, foi para Roma, trabalhar nos afrescos da Capela Sistina, e uma de suas pinturas é esta: “A Entrega das Chaves a São Pedro”.

Abaixo a pintura de Peter Paul Rubens

São Pedro por peter-paul-rubens

Peter Paul Rubens  nasceu na cidade de Siegen (Alemanha) em 28 de junho de 1577 e  morreu na cidade de Antuérpia (Bélgica) em 30 de maio de 1640. Foi um importante pintor barroco flamengo do século XVII. É considerado por muitos historiadores da arte como um dos principais pintores do barroco europeu. Também atuou como diplomata nas negociações de paz entre Espanha e Inglaterra.

É com essas expressões da Arte que faço e registro aqui minhas homenagens a São Pedro!

Viva, São Pedro!

 

Zumbi dos Palmares: luta, liberdade e resistência

20/11/2015
Antônio_Parreiras_-_Zumbi_2

Quadro pintado em 1927 por Antonio Parreiras

 

Zambi – Edu Lobo (1965)

É Zambi no açoite, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi
É Zambi na noite, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi

Chega de sofrer, ei!
Zambi gritou
Sangue a correr
É a mesma cor
É o mesmo adeus
É a mesma dor

É Zambi se armando, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi
É Zambi lutando, ei, ei, é Zambi
É Zambi tui, tui, tui, tui, é Zambi

Chega de viver, ê
Na escravidão
É o mesmo céu
O mesmo chão
O mesmo amor
Mesma paixão

Ganga-zumba, ei, ei, ei, vai fugir
Vai lutar, tui, tui, tui, tui, com Zambi
E Zambi, gritou ei, ei, meu irmão
Mesmo céu, tui, tui, tui, tui
Mesmo chão

Vem filho meu
Meu capitão
Ganga-zumba
Liberdade
Liberdade
Liberdade
Vem meu filho
É Zambi morrendo, ei, ei, é Zambi
É Zambi, tui, tui, tui, tui, é Zambi
Ganga Zumba, ei, ei, ei, vem aí
Ganga Zumba, tui, tui, tui, é Zambi

 

Nesta postagem, minha intenção é destacar algumas expressões artísticas em torno do Mito:  Zumbi dos Palmares.

Zumbi dos Palmares é um símbolo de Luta pela Liberdade e Resistência para mantê-la.  Neste dia 20 de  Novembro, Dia da Consciência Negra, penso que a imagem de Zumbi vai  muito além, representando e inspirando todo aquele que não se deixa subjugar.

Comecei a postagem com a pintura, de 1927  do artista plástico carioca Antonio Parreiras. Em seguida, trouxe a letra-canção de Edu Lobo, pois acredito que traduz bem a história de Zumbi. Ouçamos a música:

 

Em termos de sétima arte, pode-se destacar o clássico: Ganga Zumba, filme de 1964, produzido por Cacá Diegues  com destaque para interpretação de Antonio Pitanga. Ainda de Cacá Diegues, em 1984, em uma co-produção francesa, temos o filme Quilombo. Neste filme temos um fabuloso elenco com: Zezé Motta, João Nogueira,  Grande Otelo, Antônio Pitanga e uma rica constelação de  artistas. E o melhor é que ainda podemos assistir na íntegra pelo YouTube:

 

Terminando com mais  música:  a  composição Zumbi de Jorge Ben Jor na interpretação de Caetano Veloso:

E por fim, vamos apreciar a canção  O Canto das Três Raças, de Paulo César Pinheiro e Mauro Duarte, com o próprio Paulo César.

Infância e memórias no dia das crianças

12/10/2015
Brincar, brincar e brincar

Brincar, brincar e brincar

 

Para todos aqueles que têm filhos, todo dia é dia da criança.

O dia 12 de outubro é um feriado muito bem vindo, pois é um dia para curtir mais ainda nossas crianças, com o que elas mais gostam: brincar.

O meu pequeno Ulisses gosta e muito de brincar, seja sozinho ou acompanhado.

Se estiver acompanhado (o que é muito melhor) as brincadeiras  são muitas, e se estiver sozinho,  ele cria e recria de múltiplas formas.

Hoje resolvi ilustrar o dia das crianças com um registro fotográfico  onde uso diversos filtros nas fotografias.

Algumas das brincadeiras preferidas:

Ulisses jogando bola com os amigos.

Jogando bola

Ulisses e os amigos jogando bola

 

Quando está sozinho, inventa seus trajetos com seus carrinhos.

Slide4

Brincar de carrinho

 

Quando está com os primos, inventam histórias e aventuras com carrinhos e bonecos.

Brincar com carrinhos e criar outras histórias e brincadeiras

Brincar com carrinhos e criar outras histórias e brincadeiras

 

Depois que ganhou a bicicleta, nos primeiros meses foi uma curtição intensa.

Pedalando com o papai fazendo cooper

Pedalando com o papai fazendo cooper

 

Os espaços de playground são muitos aproveitados, principalmente se tem outras crianças para inventarem suas brincadeiras.

 

Brincando no Play

Brincando no Play

Nos parques e playgrounds os balanços são os preferidos da criançada, principalmente se tem alguém que os balance.

 

Curtindo um balanço com os amigos

Curtindo um balanço com os amigos

 

Ulisses gosta muito de bolhas de sabão, principalmente de ir atrás delas e estourá-la.

Curtindo bolhas de sabão

Curtindo bolhas de sabão

 

Outro dia, ele começou a juntar algumas caixas e brinquedos e improvisou sua ‘bateria’ e fez o seu som.

 

Brincando com uma bateria improvisada

Brincando com uma bateria improvisada

 

Uma das ‘brincadeiras’ que ele fez foi ‘roubar’ a cena do palco, onde o papai Ivanilson foi tocar. Pegou o microfone e foi o centro das atenções (claro!).

 

Brincando com o microfone

Brincando com o microfone

 

Há pouco tempo descobriu o skate.

Descobrindo o skate

Descobrindo o skate

Depois de passar o dia todo brincando e curtindo muito, chega o momento onde a atividade repousa, e o sono é a melhor ‘brincadeira’ pois vai repor suas energias para o dia seguinte.

 

Soninho renovador

Soninho renovador

 

Um grande dia das crianças para todas as crianças.

Super abraço!

 

 

A Primavera e suas expressões

23/09/2015

Primavera- Arcimboldo

Hoje, 23 de setembro de 2015, às  5:20h (horário de Brasília) temos o início da Primavera, a  estação das flores.

Para recebê-la, e reverenciá-la, recorro às artes. Cada artista procura retratar sua visão e suas percepções sobre as quatro estações. Inicialmente encontro expressões na pintura com Giuseppe Arcimboldo e Sandro Botticelli.

Na abertura desta postagem  temos a obra de Arcimboldo:  ” A Primavera”.

No  século XVI, Arcimboldo  utilizou imagens de flores, frutas e verduras para compor suas obras. Arcimboldo seria um ‘rebelde’ para o tempo em que viveu. Naquela época, as obras desse pintor italiano, eram consideradas “o fim do mundo” para muita gente.  Séculos depois, se reconheceu que seu estilo  faz conexões com o movimento surrealista.

 Ainda com  Arcimboldo, vejam como ele retratou a Flora:

Flora, de Arcimboldo

Alessandro di Mariano Filipepi, mais conhecido como: Sandro Botticelli, pintou cenas mitológicas, como “A Primavera” e “O Nascimento da Vênus”,  possivelmente a  mais célebre obra do Renascimento.

Vejamos a obra “A Primavera”:

primavera botticelli

Agora, “O Nascimento de Vênus”:

Sandro_Botticelli_046

 

Na pintura ‘O nascimento de Vênus’, Sandro Botticelli  representa a deusa Vênus que, segundo a mitologia greco – romana, retrata a deusa Vênus (Afrodite) emergindo das águas em uma concha, sendo empurrada para a margem por Zéfiro, o Vento Oeste, e recebendo, de uma Hora (as Horas eram as deusas das estações), um manto bordado de flores.

Lindas pinturas, não acham?

Ainda nas expressões artísticas e musicais, não poderia esquecer de outro italiano, Antonio Vivaldi e sua obra “As quatro estações”, com o movimento “A primavera”. Aqui, vamos ouvir uma interpretação inusitada (ou seria ousada?) com a Orquestra Paulistana de Viola Caipira.

Ouçam só que bárbaro!!

 

Saindo um pouco do clássico e ‘pulando’ para o popular, temos a canção “Primavera”,composição de: Cassiano e Sílvio Rochael, na voz do inesquecível  Tim Maia:

Para concluir esta postagem, trago alguns registros que fiz nos últimos dias pelos caminhos que percorro nas ruas de Sampa:

Manacá da Serra

Manacá da Serra

 

20150913_092024-1

Hibiscus

Orquídeas

Orquídeas

 

Uma linda e florida Primavera para todos!!

 

Super abraço!

 

A presença dos corpos de Antony Gormley

09/07/2012

O centro da cidade  é um grande palco de manifestações, humanas e artísticas. A cada dia nos esbarramos com a Arte e às vezes, ela se manifesta impositivamente para nós, provocando-nos. E é pela provocação que a exposição ‘Corpos Presentes’, de Anthony Gormley, prende e fascina o público, além de despertar os mais diversos sentimentos e reações.

Não faz muito tempo, uma colega chegou na sala de trabalho e disse: “Vocês viram uma estátua, na Praça do Patriarca? Colocaram um preservativo nela!” Outro colega falou: “Outro dia tinham vestido uma camisa na estátua.” Uma outra colega disse ainda: “ Fui ver a exposição e achei horrível! Me deu uma sensação de morte. Parecia a imagem do inferno!”

Bem, com tais comentários eu fiquei muito curiosa. Precisava ver e ter minha própria experiência e sensações.

A exposição ‘Corpos presentes’ está no CCBB e também em todo o entorno, ou seja está em vários lugares no Centro de São Paulo, na terra ou no ar. Sim, é isso mesmo. Estão topo de diversos edifícios. As esculturas são feitas de ferro fundido e fibra de vidro e foram moldadas no corpo do artista.

Andando pelas ruas ouvi de algumas pessoas: “Nossa! Dá a impressão que uma pessoa vai pular!”.  Ao passar pela Praça do Patriarca e olhar para o topo de alguns edifícios próximos,  pude encontrar  duas das estátuas de Gormley ‘contemplando’ a cidade no mesmo momento em que o Patriarca José Bonifácio observa o movimento das pessoas na Rua Direita. Na fotografia que tirei, dá pra ter uma ideia disso. Dêem só uma olhadinha:

Ao chegar no Centro Cultural Banco do Brasil, pude ver e ficar impressionada com as obras, e ao mesmo tempo sentir o público boquiaberto diante delas:

Seria essa a “imagem do inferno”,de que falou a colega no trabalho?

E a presença dos corpos estava retratada nas mais diversas formas, desde os fragmentos …

…passando pelo labirinto do ser humano…

… pensando nos projetos individuais…

…e também planejando os projetos coletivos.

A presença dos corpos nos desafia em nossas percepções:

Uma imagem que me chamou muito a atenção foi a de uma das estátuas estar no topo do edifício onde fica a Câmara Municipal de São Paulo. Achei de uma sutileza provocativa. Olhem só:

Gostaria de dizer  que a fotografia não está em preto e branco. No momento em que fiz o registro o dia estava muito nublado, e parecia se formar uma chuva forte, ou melhor, uma tempestade.

Entretanto a imagem que fechou esta semana, foi uma que encontrei no Uol Notícias e no G1 tirada por J.Duran Machfee/Futura Press/AE, no dia 6 de julho. O fotógrafo J.Duran registrou o momento em que a estátua de Gormley ganhara um coração. Na última quarta-feira, dia 4 de julho, o  Sport Club Corinthians Paulista conseguiu o título de Campeão da Libertadores, título inédito e invicto.  Tal resultado deixou os milhares de corações corintianos transbordando de alegria, e creio que esse foi o modo de um torcedor se manisfestar, transferindo um pouco de sua emoção para a obra de Gormley. Vejam a imagem:

Vale a pena ver a exposição.

Imagens da infância em “Cenas Infantis”

18/06/2012

Cirandinha- escultura em bronze- Sandra Guinle

Fechei os olhos com a intenção de apenas relaxar, e de repente me vejo no meio de um campo com crianças a brincar. Estavam se divertindo à beça, umas soltando pipas;algumas jogando piões; outras jogando bolinhas de gude e outras, ainda, pulando Amarelinha. E ainda tinha algumas que se juntavam em círculo para dançar uma ciranda.

Ah! as pipas… eram muitas, com cores que não acabavam mais! Um carinho para os olhos que as fitavam lá longe, no azul do céu… E a Ciranda? Vamos todos cirandar?

De repente, abro os olhos e vejo que estas cenas foram e estão materializadas, logo à minha frente. Diversas crianças brincam por meio do bronze, nos lembrando do tempo da infância, o tempo da nossa criança. Tempo “em que o único compromisso era ser feliz”, como disse a artista plástica Sandra Guinle.

Em 2005 estive no MAC – Museu de Arte Contemporânea, no Parque do Ibirapuera e pude contemplar a exposição “ Cenas Infantis”, de Sandra Guinle.

Naquela ocasião, fui profundamente tocada e pude também tocar naquelas imagens. Um dos momentos mais significativos da exposição foi quando a autora esteve junto com o público. Nós estivemos por alguns instantes muito próximas, por meio de um profundo e caloroso abraço, onde a criança que havia em mim se entregara à mais singela emoção e à saudade. Sim, saudade de minhas origens…

Hoje, sete anos depois, um reencontro acontece e novamente todo aquele sentimento é resgatado.

Estive no Museu da Educação e do Brinquedo e vi a exposição “Cenas Infantis e Brinquedos da Infância”, que fica para visitação até o dia 29 de junho, na Faculdade de Educação da USP. Pelo que observei, o espaço do Museu da Educação e do Brinquedo abriga as peças menores e alguns desenhos, pois Sandra Guinle doou 50 peças entre esculturas e desenhos. Acredito que a Faculdade de Educação venha a reservar um outro espaço para abrigar e permitir a apreciação do público desse belo acervo doado. Vou esperar para ver.

A exposição no Museu da Educação conta ainda com “brinquedos da infância”, que reúne brinquedos da infância de meninos e meninas que compõem a comunidade de FEUSP: docentes, funcionários e alunos e seus familiares. Vale a pena ver!

Abaixo algumas das ‘crianças’ de Sandra Guinle:

Amarelinha – escultura em bronze – Sandra Guinle

Menino e a pipa – escultura em bronze – Sandra Guinle

Memorial: Guerra e Paz

03/04/2012

No último final de semana fui com minha família apreciar a exposição de Cândido Portinari:  Guerra e Paz, no Memorial da América Latina.

Guerra e Paz é magnífica. Possui inúmeros desdobramentos, e a cada um deles, um novo encanto, um universo multifacetado de cores, sabores e dissabores, risos e lágrimas.

No painel Guerra nos deparamos com a dor e com os sentimentos dela decorrentes;  no  Paz encontramos não apenas a alegria, mas, principalmente a Vida brotando de cada pincelada  feita pelas mãos de Portinari.

No rosto de cada pessoa pude ver o encanto e a contemplação. Percebi alguns efeitos que aqueles painéis provocam em cada pessoa e  em mim também.

Não há muito o que falar. É preciso viver a experiência da Arte. É preciso entregar-se ao momento e (re)encontrar a Humanidade retratada por  Portinari.

Na ausência de palavras, trago algumas imagens.

A exposição Guerra e Paz ficará no Memorial da América Latina até o dia 21 de abril, com Entrada Franca e se extende no Salão dos Atos Tiradentes (onde pude tirar as fotos acima, sem flash na máquina), na Galeria Marta Traba e Espaço Educativo e na Biblioteca Latino Americana.  É imperdível e merece ser vista mais de uma vez!

Convido a tod@s a visitar também o site Guerra e Paz, clicando aqui, para conhecer detalhes do Projeto Portinari e da exposição.  O site disponibiliza um material riquíssimo. Vale a pena conhecer!