Xilogravura e cordel: arte, cultura e sensibilidade.

Hoje, me proponho a destacar e falar um pouco sobre xilogravura e Literatura de Cordel, por meio de alguns de seus representantes.

Para falar dos temas, recorro aos  poetas cordelistas para traduzir na poesia alguns conceitos e informações sobre a xilogravura. Para isso, peço a ajuda do poeta cordelista cearense, Moreira de Acopiara, que traz no seu livro:  Cordel em Arte e Versos  (Editoras: Duna Dueto/Acatu), os seguintes versos:

A xilogravura é

Arte de muito valor,

(Em todo o Brasil nós temos

Muito xilogravurador),

E ela chegou ao Brasil

Com o colonizador.

 

Mas existe há muito tempo!

Acredita-se que tem

Origem na China, mas

Há quem afirme também,

Com muita convicção,

Que é da Grécia que ela vem.

(…)

Moreira de Acopiara ainda diz mais adiante:

E essa arte é mesmo antiga.

Antes da tipografia,

Em várias partes do mundo

Xilogravura existia.

Se produziam textos

Chamavam xilografia.

Destaco aqui a capa do livro Cordel em Arte e Versos, que foi ricamente ilustrado com as xilogravuras do artista carioca Erivaldo Ferreira da Silva:

 

                 Xilogravuras de Erivaldo Ferreira da Silva

 

Ressalto também o livro Caminhos Diversos sob os signos do Cordel, de Costa Senna, um multi artista. No livro o poeta faz uma coletânea de seus cordéis, ilustrados pelo artista gráfico Jô Oliveira.

 

Neste livro, Costa Senna trata diversos temas: como a história da escrita, leitura, cotidiano, entre outros. Seu cordel Nas asas da leitura,  fala da origem da escrita, passando pelo Egito e China, passa pelo surgimento da imprensa e ressalta a importância do livro na história da humanidade. Vejam alguns versos:

Há cinco mil e quinhentos

Anos, a Ásia surpreendeu,

Pois, criando o alfabeto,

A escrita apareceu.

Veja só que linda ação,

Foi aí dessa união

Que nosso livro nasceu.

 

Em pedras, osso e tábuas

Era onde se escrevia.

Antes de o livro nascer,

A história se perdia.

Por não poder registrar,

Era difícil guardar

Tudo o que acontecia. (…)

 

Na leitura encontro asas,

Prazer, força pra voar,

Em qualquer cosmicidade

Eu vejo o meu ser pousar,

O livro é o meu transporte,

A leitura o passaporte,

Direito de conquistar.

Este cordel recebeu a seguinte ilustração de Jô Oliveira:

Nas asas da leitura


Em dezembro de 2018, tive a felicidade de estar presente no lançamento do livro: A semente de pera mágica em cordel, Editora Paulus, da artista plástica potiguar Nireuda Longobardi.

 

Neste livro, Nireuda faz uma adaptação de um antigo conto chinês em cordel, e também as xilogravuras, que transbordam beleza poética.

Aqui, compartilho alguns versos:

Era um homem muito pobre

que numa aldeia morava

e não tendo o que comer

diversas vezes furtava

pão ou tigela de arroz

e sua fome matava.

 

Certa vez em uma feira

lindos frutos avistou,

aproximou-se da banca

e disfarçando furtou

uma suculenta pera

e rápido se afastou. (…)

A feitura de uma xilogravura é uma arte rica em detalhes e paciência… Observem na foto abaixo que mostra um pouco do trabalho de Nireuda Longobardi:

 

Neste mês de setembro,  até o dia 8, acontecerá a Bienal do Livro do Rio de Janeiro.  Nesse  evento, o poeta e cordelista Marco Haurélio irá participar e também realizará o lançamento de seu mais recente livro:  “A Jornada Heroica de Maria” (Melhoramentos).  O livro tem como ilustração as xilogravuras da artista Lucélia Borges. 

            A jornada heroica de Maria, de Marco Haurélio, ilustrado com as xilogravuras de Lucélia Borges

O livro trata da recriação em cordel de um conto do vasto e longevo ciclo do noivo animal.

Houve um tempo em que as histórias 
iam sendo recontadas 
por gerações incontáveis, 
em infindáveis jornadas. 
Com o tempo, algumas delas 
foram imortalizadas.

Essas histórias fantásticas 
nasceram de muitas mentes. 
Espargidas pelo vento, 
como perdidas sementes, 
fincaram fundas raízes 
no imaginário das gentes.

“A jornada de Maria” 
é uma dessas histórias 
que vêm dos tempos passados 
evocando antigas glórias, 
costuradas com o fio 
do tecido das memórias.

Xilogravura de Lucélia Borges, do Livro”A Jornada Heroica de Maria”

Até aqui, trouxe alguns dos livros ilustrados com xilogravuras. Mas a xilogravura e o cordel andam juntos há bastante tempo.

No Nordeste a  xilogravura  tem uma identidade peculiar e tem  representantes expressivos, tais como:  Mestre Nosa, José Costa LeiteWalderêdo Gonçalves,   José AltinoStênio Diniz, J.Borges, entre outros.

Para finalizar, quero destacar alguns folhetos de cordel, seus autores e xilogravuristas:

Cordel: Cangaço-um movimento Social, de Varneci Nascimento  e xilogravura de Klévisson Vianna.

 

Cordel: Perfil do Político brasileiro, de Varneci Nascimento e xilogravura de Erick Lima.

Cordel:  Cante lá e cante cá, de Costa Senna e xilogravura de Nireuda Longobardi.

Cordel:  Paulo Freire, de Costa Senna e xilogravura de Francorli.

 

Cordel: A lenda do Cabeça de Cuia, de Pedro Monteiro, e xilogravura de  Lucélia Borges.

 

Cordel:  Cumade Fulozinha – a guardiã da floresta, de Pedro Monteiro e xilogravura de Lucélia Borges

 

Cordel: A Lenda da loira do banheiro, de João Gomes de Sá e Marco Haurélio e xilogravura de Lucélia Borges.

 

Cordel: Bandinha Fulô da Chica Boa, de João Gomes de Sá e também é o autor da xilogravura da capa.

Cordel: Cantoria 2(Peleja de Zé Limeira com Chico Antonio) de João Paulo Resplandes e xilogravura de Lucélia Borges.

 

Cordel: Caiçara, de João Paulo Resplandes e xilogravura de João Gomes de Sá

 

Cordel: Sanfoneiros de João Paulo Resplandes e xilogravura de Nireuda Longobardi

O universo da Literatura de Cordel e tão vasto quanto o da Arte da Xilogravura. As possibilidades são infinitas, e nas veredas da internet podemos encontrar muitas e muitas informações. Cabe a nós, de acordo com nossa curiosidade e interesses, lançar redes e filtrar os artigos e matérias que mais nos tocam e emocionam.

Um super abraço!

Tags: , , , , , ,

4 Respostas to “Xilogravura e cordel: arte, cultura e sensibilidade.”

  1. Varneci Nascimento Says:

    Obrigado minha cara Margarete por divulgar nossa obra. Agradeço a sua gentileza por semear a semente do cordel brasileiro.

  2. João Paulo Resplandes Says:

    Margarete, boa noite!
    Parabéns por falar sobre xilogravura e cordel, e muito grato pela divulgação das obras.
    Abraço!
    João Paulo Resplandes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: