Archive for julho \27\UTC 2012

Cantos, contos e encantos do Sansakroma

27/07/2012

Sansakroma sem fronteira – Contadores de Histórias
Parque Cidade de Toronto-julho/2012

O Sansakroma é um pássaro fantástico da tradição africana.  Segundo a tradição, este pássaro, uma espécie de falcão, voava bem alto no céu quando viu alguns pintinhos órfãos. Então, ele desceu e cuidou dos pintinhos até que se tornassem adultos. O sentido da história, ou melhor, a moral da história, é que nas comunidades sempre haverá alguém para cuidar das crianças.

Esta introdução é para falar de uma apresentação de contação de histórias a que assisti neste final de semana, no Parque Cidade de Toronto: o grupo Sansakroma sem fronteira.

O grupo chegou munido de algumas malas. E em cada uma delas havia materiais sonoros, artísticos e muitas, muitas histórias, vindas da África e de diversos lugares do Brasil. Deem uma olhadinha…

E estes pássaros chegaram e começaram a contar e a cantar histórias para as crianças de todas as idades.

Assim como as crianças, os adultos ficaram encantados com as histórias e as músicas. Acompanharam toda a apresentação com muita atenção e curtição…

A dupla de pássaros Sansakroma: Júlio e Debora D’Zambê, sobrevoaram a cultura popular africana, brasileira e de outras parte do mundo, colhendo e recolhendo as histórias que enfocam a ética, o meio ambiente, a importância da leitura e as mensagens de Paz. Além disso, eles cantam e tocam as cantigas de roda  com ritmo de blues, além de composições de nosso cancioneiro popular.

Durante a apresentação estes pássaros trouxeram objetos artísticos da África e falaram um pouco de sua simbologia e valor.

O professor da USP, Dr. Marcos  Ferreira Santos, Doutor em Filosofia da Educação e professor de Mitologia Comparada, fez um justo reconhecimento e definição da dupla em um dos encontros na Faculdade de Educação quando disse:

Sansakroma, o pássaro da liberdade, na tradição Zulu, o mesmo pássaro que abençoou Nelson Mandela, depois da liberdade. (…) Sansakroma não é só uma dupla, não é só uma ideia, é muito mais do que um Projeto, é uma destinação: é continuar e ser fiel a essa tradição dos Orfeus Negros trazendo e ecoando na voz deles as vozes nossas, internas.

Prof. Dr.Marcos Ferreira Santos

fonte: You Tube : http://www.youtube.com/watch?v=8gvycTo38as

O Sansakroma fará duas apresentações neste final de semana, em outros Bosques da Leitura: no dia  28/07 será no Bosque da Leitura do Parque Esportivo dos Trabalhadores, às 14h;  e no dia 29/07, às 14h, será a vez do Bosque da Leitura Parque Lions Club Tucuruvi.

Sansakroma também é uma canção do folclore africano. E é com ela que finalizo e convido vocês a verem uma bonita coreografia e ouvirem a canção Sansa Kroma.

Um super abraço!

Anúncios

Comemorando o Dia Mundial do Rock com muita música

13/07/2012

Hoje, dia 13 de julho é o Dia Mundial do Rock e certamente algumas rádios vão dar um destaque sobre tudo o que envolve o rock’n roll .

Aqui, neste espaço,também quero dar destaque e relembrar o que mais marcou minha trajetória.

Em agosto de 1977, eu era muito criança quando o Rei do Rock, Elvis Presley deixou a nave Terra e desembarcou noutras esferas. Cheguei a conhecê-lo e ouvi-lo já na adolescência e ouvia muito pelo rádio. Compartilho com vocês algumas das minhas favoritas:

Jailhouse Rock

Blue Suede Shoes

The Beatles conheci por influências de amigas, de seus pais e tios.

The Beatles – Get Back

John Lennon – Stand by me

A Banda irlandesa U2 também  fez parte de minhas andanças. Destaco um grande momento desta banda com o Mestre BB King:

U2 e BB King  When Love Comes To Town

Ouvi também muito Rock progressivo ainda adolescente. Compartilho a banda inglesa YES .

Owner Of A Lonely Heart

Destaco a banda Led Zeppelin, com Kashmir:

Uma das bandas de Rock progressivo que conheci depois dos meus vinte anos, quando já estava casada, foi a banda Jethro Tull. Tínhamos um disco em vinil que ouvíamos várias vezes. E uma das músicas que eu mais gostava chamava-se Budapest. Vamos ouvir?:

Budapest- Jethro Tull

Bem, há muito mais que trarei noutras postagens. Agora não posso deixar de lado o nosso Rock nacional.Ouvi muito  Titãs, IRA!, Barão Vermelho, Legião Urbana…

Titãs- Flores

Titãs- Homem primata

Barão Vermelho – Bete Balanço

Barão Vermelho – Pense e Dance

IRA!-Dias de Luta

Legião Urbana – Quase sem querer

Um grande dia Mundial do Rock para a blogosfera!

A presença dos corpos de Antony Gormley

09/07/2012

O centro da cidade  é um grande palco de manifestações, humanas e artísticas. A cada dia nos esbarramos com a Arte e às vezes, ela se manifesta impositivamente para nós, provocando-nos. E é pela provocação que a exposição ‘Corpos Presentes’, de Anthony Gormley, prende e fascina o público, além de despertar os mais diversos sentimentos e reações.

Não faz muito tempo, uma colega chegou na sala de trabalho e disse: “Vocês viram uma estátua, na Praça do Patriarca? Colocaram um preservativo nela!” Outro colega falou: “Outro dia tinham vestido uma camisa na estátua.” Uma outra colega disse ainda: “ Fui ver a exposição e achei horrível! Me deu uma sensação de morte. Parecia a imagem do inferno!”

Bem, com tais comentários eu fiquei muito curiosa. Precisava ver e ter minha própria experiência e sensações.

A exposição ‘Corpos presentes’ está no CCBB e também em todo o entorno, ou seja está em vários lugares no Centro de São Paulo, na terra ou no ar. Sim, é isso mesmo. Estão topo de diversos edifícios. As esculturas são feitas de ferro fundido e fibra de vidro e foram moldadas no corpo do artista.

Andando pelas ruas ouvi de algumas pessoas: “Nossa! Dá a impressão que uma pessoa vai pular!”.  Ao passar pela Praça do Patriarca e olhar para o topo de alguns edifícios próximos,  pude encontrar  duas das estátuas de Gormley ‘contemplando’ a cidade no mesmo momento em que o Patriarca José Bonifácio observa o movimento das pessoas na Rua Direita. Na fotografia que tirei, dá pra ter uma ideia disso. Dêem só uma olhadinha:

Ao chegar no Centro Cultural Banco do Brasil, pude ver e ficar impressionada com as obras, e ao mesmo tempo sentir o público boquiaberto diante delas:

Seria essa a “imagem do inferno”,de que falou a colega no trabalho?

E a presença dos corpos estava retratada nas mais diversas formas, desde os fragmentos …

…passando pelo labirinto do ser humano…

… pensando nos projetos individuais…

…e também planejando os projetos coletivos.

A presença dos corpos nos desafia em nossas percepções:

Uma imagem que me chamou muito a atenção foi a de uma das estátuas estar no topo do edifício onde fica a Câmara Municipal de São Paulo. Achei de uma sutileza provocativa. Olhem só:

Gostaria de dizer  que a fotografia não está em preto e branco. No momento em que fiz o registro o dia estava muito nublado, e parecia se formar uma chuva forte, ou melhor, uma tempestade.

Entretanto a imagem que fechou esta semana, foi uma que encontrei no Uol Notícias e no G1 tirada por J.Duran Machfee/Futura Press/AE, no dia 6 de julho. O fotógrafo J.Duran registrou o momento em que a estátua de Gormley ganhara um coração. Na última quarta-feira, dia 4 de julho, o  Sport Club Corinthians Paulista conseguiu o título de Campeão da Libertadores, título inédito e invicto.  Tal resultado deixou os milhares de corações corintianos transbordando de alegria, e creio que esse foi o modo de um torcedor se manisfestar, transferindo um pouco de sua emoção para a obra de Gormley. Vejam a imagem:

Vale a pena ver a exposição.

Toronto: livros, crianças e poesia

03/07/2012
 
 
Um dia frio
Um bom lugar prá ler um livro
E o pensamento lá em você…  (música: ‘Nem um dia’ – Djavan)
 
 
 

O primeiro domingo do Inverno amanheceu bem frio.

Aos poucos, o Astro Rei deixou-se sair, e, timidamente seus primeiros raios foram ganhando  em força e calor.  Às  10 horas a temperatura já estava muito mais agradável.

As crianças já estavam acordadas e ansiosas. Esperavam que seus pais deixassem a preguiça na cama e levantassem para levá-las ao Parque.

E esperaram muito…

Então, depois de muito  esperar e ver quase todos os canais da televisão, finalmente bateram à porta, até um deles  abrir e se render à intimação: Queremos ir ao parque! Vamos, papai! Ande!

O quê fazer?  Levantar, tomar café e atendê-los. Sem mais demora!

Chegaram ao Parque Cidade de Toronto.

Às 11h o playground do parque estava abarrotado de crianças.

Do outro lado, o Bosque da Leitura esperava um momento em que alguma criança se cansasse de brincar e fosse reciclar suas energias com os gibis, mangás e os livros novos que haviam  chegado e estavam sendo preparados para o acesso do público.

Francie e Margarida estavam empolgadas com as novas aquisições do Bosque da Leitura. Atentamente, Francie verificava a listagem e, um a um etiquetava os números de tombo, enquanto Margarida procurava o melhor espaço para carimbar a identificação do Bosque da Leitura Parque Cidade de Toronto .  Francie não se aguentava e folheava cada um deles, sem se dar conta dos minutos voando…   Margarida carimbava e se entretinha com alguns livros; curtia cheirá-los, sentir as palavras em relevo e a textura do papel. Cada livro trazia um cheiro diferente, uma história fantástica e poesias que eram música para a alma…

Vejamos alguns dos livros que elas curtiram: 

“A girafa tem torcicolo?” é um livro infanto juvenil muito empolgante, com muitas curiosidades ‘animais’. Seu autor, o biólogo Guilherme Augusto Domenichelli, soube muito bem encaixar as informações sobre o reino animal com ditos e frases populares, tais como:   “ Memória de elefante”, “Lágrimas de crocodilo”,  “Dormir com as galinhas”, “Abraço de Tamanduá”, “Abrira a calda de pavão”, “Estômago de avestruz”, entre outras curiosidades.

“Era uma vez… Era uma vez: eu. Mas aposto que você não sabe quem eu sou. Prepare-se para uma surpresa que você nem adivinha. Sabe quem eu sou?” E assim começa o livro de Clarice Lispector “ Quase de verdade”. No livro Clarice dá vez e voz a um cachorro  que fica “latindo para Clarice e ela — que entende o significado de meus latidos — escreve o que eu lhe conto”

O clássico  “Viagem ao centro da Terra”, de Julio Verne, ganha em poesia e arte com a adaptação de Costa Senna e belas ilustrações de Cristina Carnelós. Costa Senna com muita sensibilidade e competência transforma a prosa em poesia de cordel, e olhem como a aventura começa:

“Final de mil e oitocentos
do ano sessenta e três,
começava essa história,
Maio era este o mês
E esta vai acorrentar
A atenção de vocês.”

Mais adiante, no meio da aventura o poeta :

“Reiniciamos a descida
Na galeria de lava.
Ia tudo muito calmo
Por onde a gente passava
E, até o meio dia,
A paz nos acompanhava.
 
Depois dali nós chegamos
Perto duma encruzilhada,
Marchamos pro lado leste,
A rota mais indicada
Além de ser muito escura
Vez por outra era apertada.”
 

Desde o Ceará até o Rio de Janeiro e espalhado pelo mundo, a literatura de cordel  está presente em todas as  suas formas, desde  folhetos tradicionais e até o mundo virtual, sempre aguçando a sensibilidade e curiosidade dos leitores. “A Peleja do Violeiro Magrilim com a formosa Princesa Jezebel” é um exemplo de sensibilidade e pesquisa. Seu autor Fábio Sombra nos estimula e provoca risos nesta peleja entre a princesa  Jezebeu e o plebeu Magrilim, que desafia o destino traçado pelo cruel Percival, pai da princesa.

Por que Vossa Majestade
Nosso rei não anuncia
Que a mão de vossa filha
Será dada em cortesia
Ao violeiro que vence-la
Num torneio de poesia?  (…)
 
Muito humilde e respeitoso
O magrelo disse então:
Não é luxo, nem riqueza
Que me tocam o coração.
Quero o amor de sua filha
Essa sim é minha ambição…(…)

O livro é muito divertido e traz belíssimas ilustrações feitas pelo autor, pois  além de ser poeta e pesquisador do folclore brasileiro, Fábio Sombra é também o ilustrador  e um dos nomes mais respeitados em Arte Naif  contemporânea brasileira.

Francie ficou encantada com o livro: “Os comedores de palavras”, dos autores Edimilson de Almeida Pereira e Rosa Margarida de Carvalho Rocha. O livro narra um conto sobre a prática de contar histórias do povo africano. O livro traz também sugestões de atividades  para o leitor.

Enquanto esperam que as crianças brinquem bastante, até à exaustão, os pais aproveitam o espaço de leitura  com o seu acervo, jornais do dia e as revistas semanais. Ai, ai…”quem lê tanta notícia”…?

Enquanto isso, no grande lago de Toronto, os peixes aproveitam os pedacinhos de pão que lhes são oferecidos…

E para finalizar, eu, Margarete Barbosa escrevi e compartilho com vocês:

Domingo de Inverno
 
Um sol
sem ser ardido
brilha sobre o gramado
aquece a criança
o lago
os marrecos
as papoulas.
 
O domingo de inverno
estando bem aquecido
convida ao
lúdico
das crianças
e seus pais.
 
O adulto traz a criança
pelas mãos
no coração
Brinca
Ri
Chora
Não quer ir embora.